primeiro encontro…

Depois de dois anos e dois meses, ele apanhou-me pela garganta, ignorando basicamente o restante corpo. Como entrou? Não faço a mínima ideia! Mas gosto de pensar que talvez tenha vindo com o vento…

Apenas sei que apareceu sorrateiro com uma matinal rouquidão que deixou o meu sotaque algarvio bastante mais sexy do que o habitual. Depois, ao fim do dia deu umas suaves pancadinhas na minha cabeça, algo que foi o  suficiente para me deixar alerta e levar a  realizar um autoteste rápido de antigéno ao SARS-CoV-2.

Seguidas as instruções e após uns momentos de dúvida….lá estava uma ténue risquinha a olhar para mim. Que mais poderia fazer senão aceitar a realidade, encarar o “bicho” de frente e iniciar os trâmites obrigatórios? Foi isso que fiz.

O pensamento inicial de que iria ficar horas em espera na linha telefónica SNS 24 revelou-se falso, uma vez que fui surpreendida com um sistema automatizado para utentes com autoteste positivo de uma eficiência que me espantou. Em pouco tempo tinha comigo os códigos necessários para o teste de confirmação em clínica e para acesso à declaração de isolamento. Objectivamente, um ritual que todos se queixam de ser lento e que na passada quarta-feira foi de uma eficiência sem mácula e que me deixou extremamente orgulhosa do nosso Serviço Nacional de Saúde.

No dia seguinte…o “bicho” estava raivoso e mordendo estupidamente a metade esquerda da minha garganta como se fosse o fim do mundo. O acto inconsciente e habitual de engolir a saliva tornou-se um suplício, também porque a dor daí resultante se alongava até ao ouvido, órgão que colaborou silenciosamente na parceria. Sem saber bem o que fazer ou tomar, ainda consegui contactar o meu médico de família que me medicou devidamente.

Foi apenas ao quinto dia que o intruso resolveu dar-se por rendido, depois de uma luta cerrada e desagradável que incluiu algumas noites mal dormidas. Agora, a restante contenda será entre as minhas defesas imunitárias e a sua agonia final.

Deste encontro, resta-me o conforto de saber que, para já, não fui “ponte de passagem/transmissão” para contactos próximos. Ou seja, por aqui parece que “ele” não deixou prole!


Apesar de ter consciência que este é um assunto difícil, seja pelo número de vítimas que a pandemia causou nos últimos dois anos, seja pelas sequelas deixadas em milhões de habitantes deste planeta a todos os níveis, a verdade é que este tema entrou e ficará para sempre nas nossas vidas.

Este vírus aparecerá com variantes diferentes, mais ou menos social, mais ou menos “esfomeado”, mas teremos que viver com ele. Por tudo isso, e pelos resultados comprovados da vacinação que continua a ocorrer, talvez seja altura de começarmos a enfrentar a situação com outra atitude, maior segurança, mais racionalidade e especialmente com menos carga emotiva. E a encarar a sua presença como mais uma experiência associada a este conturbado século XXI.

Sabemos que qualquer “dor” nos pode levar a crescer e a ser mais resistentes. Pessoalmente, e restringindo-me apenas à minha sintomatologia, sei que esta experiência me levará a relativizar qualquer outra dorzinha de garganta que tenha futuramente. É pouco…quase nada…mas é uma pequena aprendizagem!

Amanhã sairei do isolamento e a vida continua. Entretanto “sr. bicho”….espero que não nos encontremos nos próximos tempos pois, apesar de não ter sido nada de grave, realmente não foi um prazer conhecê-lo!

(Versão do “intruso” desenhada por Dulce Delgado)
Advertisement

sns

 

Ele não é perfeito, tem falhas de gestão e certamente erros pontuais associáveis à vertente humana que o sustenta. É uma ideia com sentido, um projecto ainda em execução, mas sempre uma forma de proporcionar saúde a quem nele acredita ou a quem não dispõe de outra a que recorrer.

Promove o mais possível o bem-estar do corpo e, indirectamente, da alma. Pertence a todos o que o querem, mas não deve ser banalizado nem totalmente gratuito, porque o que é gratuito e fácil, deixa de ter valor e passa a indiferente. Deverá ser comparticipado tendo em conta os rendimentos de quem o utiliza.

Foi muito o que mudou nos 37 anos do Serviço Nacional de Saúde, data que hoje se comemora (15 de Setembro de 2016).  Melhoraram as instalações, melhorou a gestão, melhorou a formação técnica e humana, melhorou o acesso. Hoje temos muito mais do que tínhamos antes da sua criação. Quando se persiste num caminho, é possível melhorá-lo cada vez mais. Quando se recua, o objectivo fica desfocado e corre-se o risco de ele deixar de existir.

Como utente desse serviço, recorro a ele sempre que preciso. E não me agarro às pequenas falhas que encontro, mas às boas práticas que o sustentam, sem dúvida bem mais comuns e valorizáveis. Tem possibilidade de crescimento e de evolução, haja boa gestão e vontade política. Mas esse caminho também depende muito de nós e da necessidade de o utilizarmos de uma forma inteligente e educada.