quinta dos azulejos

 

1

 

A cultura, a arquitectura e o imaginário português estão muito associados ao azulejo, tradição importada pelos mouros e que teve grande desenvolvimento a partir do séc. XV.

D. Manuel I foi o primeiro monarca a apreciar devidamente essa arte, fazendo do Palácio Nacional de Sintra um dos primeiros locais onde eles foram usados, apesar de ainda importados de Sevilha.

Sendo um revestimento de baixo custo e com grandes possibilidades decorativas, rapidamente começou a ser produzido no nosso território e largamente aplicado. Primeiro prevaleceram os tons monocromáticos (principalmente o azul e o branco) e mais tarde os mais coloridos e a preferência por padrões mais repetitivos.

O que escrevi até aqui pretende apenas enquadrar melhor o tema do post e o jardim da Quinta dos Azulejos, espaço que recentemente visitei no âmbito do evento Jardins Abertos que decorreu em Lisboa. Localizada na zona do Paço do Lumiar esta quinta é actualmente ocupada, em conjunto com outras quintas adjacentes, pelo colégio Manuel Bernardes, uma grande escola privada da capital.

O jardim em causa revelou-se uma agradável surpresa. Insere-se na periferia de uma casa senhorial do séc. XVII que pertenceu ao ourives da casa real portuguesa António Colaço Torres. O seu interesse vem do facto de paredes, muros, bancos, colunas e outras estruturas serem integralmente cobertos por azulejos com temáticas variadas como cenas mitológicas, cenas bíblicas ou galantes, animais exóticos, etc.

As imagens não transmitem a real beleza do espaço, mas dão uma ideia do seu colorido e personalidade, para o qual também contribuem os tons outonais das lindíssimas vinhas virgens que ocupam as paredes e muitos recantos.

 

2

 

3

 

4

 

5

 

6

 

7

 

8

 

9

 

Termino com dois detalhes que achei muito interessantes e que, na minha perspectiva, revelam o “espírito azulejar” que ali se respira. Resulta certamente de um trabalho de sensibilização do colégio para o espaço onde se insere e para a importância do espólio que detêm. Estes painéis foram muito provavelmente elaborados pelos alunos em aulas de Educação Visual.

 

11

 

10

 

Se algum dos meus leitores tiver interesse em saber mais sobre este espaço, encontra muita informação na Internet e quiçá, até a possibilidade de uma visita ao local!

 

 

 

 

detalhes de outono

 

IMG_1761a

 

Volto ao Jardim 9 de Abril em Lisboa, espaço já aqui referido mais do que uma vez. E esta não será certamente a última…
Talvez me repita um pouco ao dizer que gosto muito deste recanto por onde passo diariamente. É um sentir de quase quatro décadas, nascido de uma observação viva e continuada, estação após estação, ano após ano.

Em Novembro de 2017, há precisamente um ano, publiquei um post com uma imagem geral deste jardim em pleno Outono. Este ano vou aproximar o olhar um pouco mais e mostrar a relação entre a paineira-rosa, a árvore central, e a vinha-virgem que a circunda. Se aparentemente a força e o poder está na robustez do tronco da primeira, é a fragilidade da segunda que protege esse tronco e dá estabilidade e beleza ao conjunto.

Muitas vezes, os que parecem mais frágeis conseguem com a sua sensibilidade e gestos obter o respeito dos mais fortes. E, lado a lado, ambos cooperarem com um fim comum. Neste caso…diria… em prol da beleza que alimenta os nossos dias!

 

IMG_1753w

 

IMG_1755w

 

IMG_1759w

 

As imagens acima foram captadas a uma sexta-feira, na véspera de um fim-de-semana que se revelou cinzento, desagradável, com vento e muita chuva. Nesse período, a maioria das flores da paineira-rosa e das folhas da vinha-virgem caíram, cobrindo o chão de um tapete de cor.

 

IMG_1819a

 

Naturalmente, tudo mudou em dois dias para estes seres vivos e para este recanto da cidade, mostrando bem o dinamismo e a força da natureza.

Para mim, contrariamente, esse foi um tranquilo fim-de-semana, caseiro e muito acolhedor!

 

 

antes da primavera

 

img_6841a

2

 

Quatro meses separam estas duas fotos do Jardim 9 de Abril em Lisboa.

A primeira foi tirada no início de Novembro de 2016, num lindo dia de sol outonal; e a segunda no dia 1 de Março de 2017, num desagradável e cinzento dia de Inverno.

A vinha-virgem americana que cobre a estrutura circular perdeu todas as folhas, sendo agora um emaranhado de troncos aparentemente sem vida;  por sua vez, as flores outonais da árvore central, a paineira-rosa, transformaram-se em frutos/semente ovalares e com alguma dimensão, que pendem agora dos ramos despidos.

Este jardim perdeu a cor, aparentemente a alegria…mas na natureza que o habita está em latência a força da Primavera que começará em breve e que já é visível em alguns recantos.

Numa perspectiva algo feminina, gosto de pensar que nesta fase a natureza está “grávida” e aguarda tranquilamente o momento de eclodir e de mostrar o seu potencial, seja nos pequenos rebentos, caules e folhas que irão primeiro nascer, seja nas flores que mais tarde aparecerão.

Os dias, agora muito maiores, mostram igualmente esse crescendo de energia e de exteriorização.  Até as aves que habitam os nossos jardins, já revelam um maior dinamismo na sua forma de estar e comunicar.

É importante estarmos atentos a estas mudanças, na medida em que permitem um olhar diferente e revelador sobre a vida que nos envolve….inclusivamente quando a meteorologia não ajuda e os dias estão frios, chuvosos, cinzentos e aparentemente inertes nesta pré-Primavera!

 

 

a primavera no outono

 

img_6841a

 

As cores de Outono da vinha-virgem americana (Parthenocissus quinquefolia) preenchem uma estrutura circular que abraça o tronco e ampara a copa de uma lindíssima paineira-rosa (Ceiba speciosa), agora cheia de flores e no auge da “sua” Primavera. Ao nosso olhar, coabita harmoniosamente a energia visual de ambas as estações do ano, numa complementaridade de cores e de tempos.

Para além disso, diria ainda que se sente a cumplicidade existente entre ambas as espécies, na medida em que cada uma valoriza a presença da outra.

Esta bela parceria pode ser apreciada no Jardim 9 de Abril em Lisboa, o espaço verde que se situa entre o Museu Nacional de Arte Antiga e a sede da Cruz Vermelha Portuguesa.