sempre o tempo…

Voam os anos
aumentando a nossa idade,

voam os meses
a estonteante velocidade,

voam os dias
sem dó nem piedade,

voam as horas
de dias sem identidade

e voam os segundos
antes de serem realidade!

Neste eterno voar
o tempo é um sopro
que passa em nossos
interstícios…

…ele toca
afaga
dói
envelhece
enriquece
esquece,
é instante e memória
derrota e vitória
prazer e partilha
solidão
desilusão
sonho
e Amor,
porque sempre o tempo
tem para nós
um qualquer Amor!

Em cada respirar
habilmente o tempo voa
e a vida vai…

…para depois parar
numa esquina do tempo que passou
e dizer-nos simplesmente…

…atenção
muita atenção,
olha que já aqui estou!

(Dulce Delgado, Maio 2022)
Advertisement

entre libélulas

 

3 lib

 

Em voos rápidos
e aleatórios pelo ar,
elas voam sobre a água
ao som
do fresco murmurejar.

A seu lado
voa o meu olhar,
atraído pelas cores metalizadas
e transparência fluída
das suas asas.

Com  libélulas
no ar,
é tão leve
e fácil
voar neste lugar!

 

 

(Dulce Delgado, Outubro 2019)

 

 

 

 

outono vai, inverno vem

 

IMG_4218ab

 

Será exactamente às 16 horas e 28 minutos de hoje, o dia mais curto do ano, que faremos a despedida do Outono.
Ele vai de viagem, talvez agarrado às folhas secas que ele próprio ajudou a se despedirem das árvores. E com elas voará até ambos se desvanecerem no tempo.

Nesse mesmo instante, o Inverno tomará o seu lugar. Em Portugal virá soalheiro, fresco e com fraca personalidade, o que é pena. Mas precisamos de acreditar que será uma timidez inicial, que em poucos dias se habituará ao novo lugar e mostrará os seus dotes, porque necessitamos dele com garra, bem invernoso e especialmente com muita chuva. E frio também, se isso contribuir para que se sinta mais feliz. A natureza ficaria profundamente grata…e nós ficaríamos profundamente gratos à natureza.

Por isso, que seja um verdadeiro Inverno!

E em nós, que seja um profícuo tempo de introspecção!

Já para os meus leitores do hemisfério sul, que se revele um excelente Verão!

 

 

vento norte

trevo3

Sopra forte
o vento norte.

Força o vidro
assobia na fresta
e esperançoso,
espera.

A janela
sente a corrente,
mas mostra-se indiferente…

Que pena,
pensa o vento,
é tão bela e transparente!

Que pena,
pensa a janela,
que bom seria ser vela
enfunar
e loucamente viajar
ao sabor deste vento!

 

(Dulce Delgado, Dezembro 2017)