o ninho

 

_G3A7178_DxO Jamor (04-06-2020) a

 

No mundo dos insectos…

…elas são perigosas pelo facto de serem predadoras de outros semelhantes, nomeadamente de abelhas. Na Europa, foram detectadas pela primeira vez em França no ano de 2004 e chegaram ao norte de Portugal em 2011. Estou a falar da Vespa Velutina ou asiática, um insecto invasor e com características próprias que a diferencia da Vespa Europeia.

No meu país, a sua expansão continuou para sul e já chegou à região de Lisboa. Assustador é pensar que só este ano já foram destruídos mais de 1100 ninhos em Portugal.

Recentemente o meu companheiro detectou e fotografou um desses ninhos no Vale do Jamor, nos arredores de Lisboa. Contactou de imediato as entidades competentes, que já o tinham sinalizado, sendo destruído nos dias seguintes.

Não obstante a evidente necessidade e a urgência em destruir estes ninhos, e principalmente de tentar incrementar um programa de captura de rainhas-fundadoras durante a Primavera para evitar a expansão desta perigosa espécie…

…perante estas fotografias, eu não posso deixar de admirar a beleza de tais estruturas e o cariz orgânico das suas formas e volumes, e não consigo deixar de os ver como verdadeiras obras de arte de arquitectura da natureza.

 

_G3A7178_DxO Jamor (04-06-2020) bc

 

Que pena não serem uns insectos mais simpáticos e pacíficos!

 

(Fotos captadas por Jorge H. Oliveira em 4 Junho 2020, no vale da Ribeira do Jamor, Lisboa)

 

 

 

 

 

um olhar criativo

 

DSC_0290

 

A criatividade é algo que é de todos, apenas mais activa em alguns porque lhe deram atenção e um lugar mais ousado na sua vida. Permitiram-se olhar com outro olhar e não apenas ver, experimentar mesmo sem acreditar, dar lugar ao pulsar e explorar o potencial mesmo sem o conhecer.

É assim que eu vejo a criatividade. E neste Dia Mundial da Criatividade e da Inovação vou contar-lhes uma história, pessoal porque foi por mim vivida e, no meu entender, a melhor forma que encontro para justificar o meu conceito de criatividade.

As histórias pessoais valem o que valem. São detalhes nesta imensidão. Mas podem despoletar algo que leve os outros a pensar e a olhar o que os rodeia de uma outra forma…e com outro olhar!

Aqui vai…

 

Vem de longe a atracção que sinto por pedras e por outros elementos naturais deste planeta que habitamos. Aprecio as suas formas, expressividade, texturas e faces de clivagem, gosto que vem da infância e dos passeios pelos areais algarvios em que cresci e onde adorava observar/apanhar pedras, conchas ou outros materiais trazidos pelo mar.

Passaram muitos anos…

Em meados da década de noventa, na primeira visita que fiz à Pedreira do Galinha, área localizada na região de Ourém/Torres Novas e detentora de longos trilhos de dinossauros, o meu olhar foi atraído por uma pedra de calcário solta que estava no chão. Apanhei-a, olhei-a de um lado, depois do outro, tendo de imediato a sensação que não era uma pedra qualquer e que tinha algo para me dizer. Senti-lhe um enorme potencial, conseguisse eu percebê-lo devidamente.
Foi para a mochila e, a partir daquele instante, mais importante do que todos os dinossauros que por ali passaram, a minha atenção ficou orientada para as pedras que ia encontrando. A mochila veio carregada, mas ainda sem saber para que serviria aquele pesado “tesouro” que trazia às costas.

Dias depois, decidi olhar calmamente e de vários ângulos para a primeira pedra que tinha apanhado. Uma luz rasante ajudou-me a perceber a volumetria, a textura e a “ver” uma imagem em latência que apenas precisava de ser “reavivada”. Foi o que fiz em seguida recorrendo a um fino pincel, a tinta-da-china preta e a toda a paciência que me caracteriza. Para lhe dar alguma verticalidade e valorizar a representação, adaptei-lhe outra pedra mais pequena, que cumpriu com rigor essa missão.

O resultado foi a pedra pintada que dá início a este post e que ainda hoje guardo com todo o carinho. Dizem que não há amor como o primeiro, pelo que esta pedra adquiriu esse estatuto entre todas as que se seguiram, sejam as recolhidas nesse passeio ou, posteriormente, em incursões “clandestinas” a pedreiras calcárias daquela região, uma vez que não encontrei outras com características semelhantes.

Pintei mais de uma centena de pedras com temáticas variadas, situadas entre o real e o puramente abstracto/imaginário, mas sempre aproveitando os relevos e a textura própria do calcário. Foi uma fase louca e de uma criatividade diferente daquela que eu conhecia. O desafio nascia do olhar e da capacidade de “comunicar” com cada pedra. Era algo orgânico, de “corpo para corpo” e uma espécie de jogo de afectos e empatia. Ou sentia, ou não sentia. E houve pedras que não entendi, pelo que foram devolvidas à natureza.

Muitas delas foram oferecidas a amigos e outras tantas vendidas. Pela minúcia do trabalho, começou a ser fisicamente desgastante, pelo que deixei de o fazer há alguns anos. Hoje guardo as fotografias de todas e reservo algumas como legado, incluindo esta primeira. E fico extremamente feliz quando reencontro alguma em casa de amigos ou familiares.

Foi uma fase da vida que passou, de um modo tão natural como surgiu. Já o gosto pelas formas da natureza continua bem enraizado e será sempre foco da minha atenção. Quem sabe, talvez um outro olhar me leve ainda a uma nova aventura criativa!

Termino com a imagem de outras pedras que continuam a viver comigo, porque nelas encontro um simbolismo muito especial.

 

DSC_0337

 

DSC_0327

 

DSC_0326 a

DSC_0333a

(Dulce Delgado, 21 Abril 2020, Dia Mundial da Criatividade e Inovação)