biodiversidade

O Dia Internacional da Biodiversidade tem como objectivo alertar para a importância de preservar a diversidade biológica e as relações existentes entre espécies, mas igualmente com o que possa levar a um desenvolvimento mais sustentável e saudável em áreas como a agricultura, a alimentação, a qualidade do ar e da água, etc. No fundo, tem como objectivo encontrar um equilíbrio entre tudo o que é vivo e/ou suporta a vida neste nosso planeta.

Essa diversidade biológica engloba uma imensidão de espécies, entre fauna, flora ou microorganismos. E nós, humanos, também aí estamos incluídos, teoricamente como os mais inteligentes mas na prática revelando-se os mais destruidores dessa biodiversidade.

Mas avancemos. Hoje é dia de valorizar o que temos de bom e o que se faz de positivo no sentido de preservar essa diversidade. Em Portugal, por exemplo, existe uma rede de Estações da Biodiversidade cujo objectivo é valorizar e divulgar a fauna, a flora e de certa forma também as características e paisagem de determinados áreas.

São locais que inicialmente estavam muito associados a projectos de estudo e protecção das borboletas, mas foram alargando o seu enfoque, sendo actualmente mais abrangentes na informação disponibilizada.

Neste momento creio que serão perto de cinco dezenas as Estações da Biodiversidade existentes em Portugal, espaços que constam de percursos pedestres relativamente curtos complementados com painéis descritivos sobre a fauna e flora que caracteriza essa área. Alguns foram criados por associações particulares, mas a maioria resultou de parcerias do Tagis com as câmaras municipais.

Já visitamos alguns desses espaços sendo certo que, seja pela localização seja pela diversidade de olhares e aprendizagens que proporcionam, são uma excelente opção de passeio, especialmente para os que gostam de trilhar novos caminhos e observar/ fotografar detalhes da natureza.

Encontram aqui o mapa da rede EBIO (Estações da Biodiversidade de Portugal).

As imagens acima mostram paineis informativos de três Estações EBIO: Alvor (Portimão), Quinta de recreio do Marquês de Pombal (Oeiras) e de Fontelas (Loures)

la hulotte

F

 

Quando se agarra um projecto de alma e coração, ele tem grande possibilidade de crescer e criar raízes.

A edição da pequena revista La Hulotte é um desses projectos, nascido em 1972 da arte e curiosidade de Pierre Déom, que desde então se empenhou como autor, redactor, desenhador e responsável desta preciosa publicação que semestralmente chega à caixa de correio de cento e cinquenta mil assinantes, entre os quais me incluo.

A sua paixão pela natureza e pela fauna e flora das Ardennes – região localizada a norte de França – levou-o a editar enquanto estava no ramo do ensino o primeiro número da revista em associação com um clube da natureza local.

O sucesso dos primeiros números foi tal que decidiu abandonar o que fazia e começou a dedicar-se unicamente à edição da revista. Pierre Déon tem actualmente 70 anos e para concretizar um número desta revista necessita, em média, de mil horas de trabalho, desde a pesquisa documental, ao contacto com especialistas sobre o tema em causa, ilustração, edição, etc.

Sendo única no género, é uma delícia para o olhar e sempre, mas sempre, uma fonte de aprendizagem sobre a natureza, a que o autor alia um humor muito inteligente.

Sendo uma grande apreciadora desta publicação assim como do empenho e saber do seu criador, não poderia deixar de os divulgar neste espaço.

 

s

Imagem inicial: capa dos nºs 6 a 15 –  https://www.lahulotte.fr/collection_1.php
Imagem final: capa dos nºs 96 a 105 –  https://www.lahulotte.fr/collection_10.php

 

 

 

 

banho de natureza

 

IMG_7484a

 

A efémera beleza das flores de um nenúfar acompanha as horas de sol e o ritmo das  estações, mas a planta-mãe saboreia durante todo o ano o lento mover do fluído que a alimenta. Os nenúfares exteriorizam na Primavera e no Verão o que guardam com recato na restante metade do ano.

Recentemente senti o prazer de me banhar numa piscina biológica, cuja pureza e equilíbrio resulta da presença de diversas espécies de plantas aquáticas, incluindo nenúfares. Todas foram controladamente plantadas numa faixa na periferia do espaço e, a par dos limos e de outros micro-organismos, contribuem de uma forma natural para o processo de limpeza e oxigenação da água, meio também habitado por uma fauna específica de pequenos animais como rãs, cobras-de-água, insectos variados, incluindo muitas libélulas/libelinhas.

Centrando-me nos nenúfares…

…as várias espécies existentes  foram plantadas de modo a permitir uma certa proximidade e um diálogo “olhos nos olhos” deixando os sentidos apreciar…

…flores com morfologia e cores diferente
…folhas com formatos diferentes
…e aromas diferenciados!

Surpresa!

Apesar de olhar para os nenúfares como uma planta belíssima, misteriosa e um tanto mística, na verdade sempre esteve “longe”…ali…além…em lagos…e nunca ao nível dos meus sentidos e ao lado do meu corpo.

Ainda não experimentara…

…afagar os seus finos caules e robustas folhas…
…cheirar o aroma das flores…
…partilhar a mesma água…
…e sentir o seu tranquilo e uterino modo de vida!

Momento único este “banho de natureza”!

Como único e inesquecível foi aquele instante em que uma pequenina rã salta da folha de um nenúfar onde repousava (apreciando talvez o sol e a paisagem…), e começou a nadar junto a mim. E eu segui-a… calmamente….emocionada… e totalmente fascinada!

Depois ela seguiu para o interior do mundo dos nenúfares, uma área proibida a esta feliz humana que acabara de viver um daqueles momentos em que nos sentimos parte de algo maior e, na “pele”, a ternura desta mãe-natureza que nos enlaça e envolve.

Numa única palavra: adorei!