…60!

 

4bl

Dançam as nuvens
as árvores
e um bando de pássaros…

O ar é o palco
A música é o vento
A valsa, o movimento
E o meu olhar, um abraço!

 

Este pequeno poema que escrevi algures na década de noventa, é um dos que mais aprecio.

De certa forma é um poema sem tempo, pois reencontro-me sempre que o leio, o que me leva a sentir que ele foi passado, é presente e será futuro. Essa intemporal-idade que me transmite é uma boa razão para o partilhar neste dia em que cumpro 60 anos de vida, seis décadas de imensos olhares e sentires, de dificuldades e vitórias, de muitas alegrias, mas igualmente da estranha sensação de que tudo passou rápido demais.

Sei que o tempo que me será oferecido será seguramente bem menor que o já vivido. Seja ele qual for, enquanto o puder fazer em consciência será para abraçar, para envolver com o olhar e partilhar em palavras, imagens ou desenhos, não só com os que estão fisicamente mais perto, mas igualmente com os outros que, através deste blog ou não, vão acompanhando o meu sentir nesta aventura que é a Vida.

Fá-lo-ei da melhor forma possível e sempre tentando descobrir/aprender algo de novo todos os dias, seja em mim, seja nos outros, seja no mundo onde me situo ou na natureza que me envolve. E depois partilhar isso. Porque a vida, mesmo com todas as dificuldades com que nos presenteia, não merece outra forma de estar.

Obrigada por estarem presentes nesta simbólica data da minha vida!

 

 

(Dulce Delgado, 7 Maio 2018)

 

 

 

Advertisements

34

trevo2

Nos verdes campos irlandeses nasce o trevo, símbolo oficial desse país e ao qual se associa a Boa Sorte. É com esse sentimento que hoje te ofereço estes shamrocks, como aí se denominam, colhidos em Junho de 2006 num lindíssimo prado localizado a noroeste do país.

Porque eles guardam a energia dessa terra mágica que hoje te recebe e com quem partilharás este aniversário, que a Boa Sorte seja tua companheira, hoje, e em todos os momentos da tua vida.

Sente-os como um abraço de mãe…que te envolve com o desejo que este dia seja plenamente vivido!

 

 

30

desenho capa

Desde criança que encontraste nos livros a principal forma de satisfazer a tua curiosidade sobre a vida e sobre o mundo.

Cresceste.

O mundo continua a fazer parte das tuas experiências de vida e os livros persistem em ser uma parte fundamental do teu mundo…e também da tua bagagem!

Nesta data folheias uma simbólica página do livro da vida, a trigésima… página ainda em branco, mas por isso mesmo replecta de possibilidades e de leituras!

Um forte abraço de mãe…e boas viagens pela vida!

 

 

 

59…

 

59

 

Num rápido olhar sobre os últimos 59 anos, vejo que…

… fui feliz na década da infância
… ultrapassei sem traumas a década da adolescência/juventude
… na terceira década vivenciei a maternidade com enorme alegria
… passei a quarta década na busca de maior equilíbrio e de novos caminhos
… vivi a quinta década como um tempo de maturação das escolhas
… e nesta última década prestes a terminar, a sexta, percebi entre várias outras coisas, que muito gradualmente todas as células se estão alterando…

Ou seja, estou precisamente a 365 dias de me tornar sexagenária, o que visto das décadas anteriores significava naturalmente “ser velha”…

…porém,

sempre que vejo um parque infantil, tenho uma vontade enorme de entrar…transgredir…sentar-me num baloiço…e andar nele totalmente à maluca!

Será que já estou a entrar na fase de regressão?
Ou será que ainda não cresci?

 

 

 

33

 

risco avião

 

Um risco no céu azul.
Um avião.
No seu interior, alguém que adora viajar pelos céus e que completa hoje 33 anos de vida.
Tem boa energia, uma sensibilidade apurada e intuitiva, e ainda muitos sonhos.
Gosta de falar, de partilhar a vida com os outros e é um porto de abrigo seguro e atento.
Espalha por aí um olhar verde, cor de azeitona, e é dona de umas gargalhadas e espirros únicos!
É claro que também tem alguns defeitos, como todos nós!

Quando chegares ao teu destino, terás este post à tua espera.
Com os meus Parabéns e toda a ternura de uma mãe!

Boas viagens pela vida!

 

58

Longe está o tempo
em que nasci,
onde aprendi a ser criança
e para a vida cresci.

Sem mágoas,
passei pela juventude
e cheguei a ser mulher.
Senti a alegria e a dor
a paz e a inquietude,
mas foi a vida
e o acontecer,
que me ensinou a crescer.

Com os dias,
partilho o tempo
pela vida concedido.
Tempo único,
talvez curto
talvez imenso,
mas sempre desconhecido.

Recebo cada ano de vida
como um presente
de energia contida.
Tempo
de pura magia,
com vontade de ser vivida!

 

(Dulce Delgado, Maio 2016)