sol

 

IMG_8923a

 

Em cada segundo, ele nasce para milhões de seres vivos deste planeta. Vinte e quatro horas por dia. Ilumina a existência, permite a vida, dá energia e é uma fonte de saúde e de inspiração.

Neste Dia do Sol, este foi o meu segundo…e esta imagem, a forma mais objectiva de reconhecer a sua importância e grandiosidade!

 

 

dia, noite, dia

 

img_7065

 

Lento
ausente
suado
e profundamente cansado
do barulho e movimento,
o dia anseia o escuro
e o silêncio incolor da noite,
para pousar o seu olhar.

Unidos
na paz de um casamento
etéreo
e de uma cumplicidade
sem idade,
a noite transformará
o cansaço e a melancolia
na luz
e na doce energia,
que ele levará no olhar
ao nascer em novo dia!

 

(Dulce Delgado, Janeiro 2017)

 

 

para o novo ano…

 

img_7936

 

Nos primeiros segundos do ano, os votos pessoais mais comuns são saúde, tranquilidade, amor, partilha, trabalho e mais algum dinheiro, aspectos que não dependem apenas de nós e que estão sujeitos a factores aleatórios que não controlamos, caso da saúde e da postura de outros com quem interagimos. Por isso, e pela sua incerteza, eles são tão desejados!

Pacificada a euforia desses primeiros segundos, surgem na nossa mente outro tipo de desejos, aqueles que nascem da sensação de termos pela frente um novo e “limpo” tempo…similar a uma “agenda em branco” na nossa vida. Surgem então as promessas de fazer isto e aquilo ou de alterar determinada situação, que no final do ano serão cumpridas… ou não, deixando nestes casos alguma frustração.

Existem contudo pequenas coisas que dependem apenas de nós e de uma mudança de atitude, podendo contribuir para que nos sintamos melhor com a vida e connosco. O leque é imenso e depende da personalidade, necessidades e gostos de cada um. Diria que nos ajudam a estar mais atentos e a melhor apreciar cada dia que passa. Não podemos esquecer que o tempo flui e não volta para trás. Por isso, tudo o que lhe acrescentarmos de melhor e mais saudável será certamente uma experiência positiva.

Deixo alguns exemplos:

– andarmos mais a pé (ou de bicicleta!)

– passear mais pela natureza e dar mais  atenção aos seus pormenores

– respirar profundamente e aprender a dar atenção a esse momento

– beber com prazer e concentração um copo de água matinal

– apreciar o prazer de um chá quente calmamente saboreado

– sorrirmos mais

– seguirmos o que nos diz o coração

– estimular os pensamentos positivos

– afastar pensamentos negativos e destrutivos

– não alimentar conversas baseadas na “má lingua”

– partilhar afectos

– ajudar os outros

– proporcionar momentos agradáveis e surpreender os outros

– dar as boas vindas ao dia que começa

– agradecer cada dia que termina

– apreciar o aconchego da nossa casa e da nossa cama

– explorar as potencialidades do nosso corpo e das nossas mãos

– explorar a nossa mente e a nossa criatividade

– dar tempo ao que mais gostamos em nós…e tentar sempre melhorar o que menos gostamos!

Ou seja,

Não há nada que nos impeça de apreciar em cada dia a vida e o estarmos vivos neste planeta. Este tipo de atitudes, que não exigem dinheiro nem recursos, ajudam-nos a ser mais positivos, a melhorar a nossa energia e, certamente, a melhorar também a energia deste mundo!

 

Experimentem!

 

 

estranhos dias

 

Por vezes
o meu dia nasce,
sem entender
que é luz e alegria.

Aparece
como um dia-noite
sem cor e ilegível,
talvez
a resposta invisível
a algo que fiz
e não devia.

Não tenho um Deus
nem pecados
nem castigos.

Porém,
tenho uma energia
para tentar entender,
para ler os sinais
ténues
ou bem reais
e perceber,
com atenção e ousadia,
o que o tal dia-noite
pode ter para me dizer.

Mas falta-me a sabedoria
para sempre o entender!

 

(Dulce Delgado, Novembro 2016)

 

 

cuidar

 

pantufas

 

Agora que o frio chegou, o corpo agradece o aconchego, sendo muito agradável sentir os pés quentes e confortáveis.

Os pés são uma fantástica e complexa estrutura a que normalmente não damos muita atenção. Eles são pacientes e muito perseverantes, aguentando os milhões e milhões de passadas de uma vida, suportando o nosso peso e as cargas que transportamos e, muitas vezes, sendo ainda violentados em nome da moda.

Tão importante como isso, é o facto de serem o nosso ponto de contacto com a terra e com as suas energias o que, só por si, é uma razão mais do que suficiente para merecerem uma atenção muito especial.

Assim, é bom de vez em quando olharmos para eles de uma forma diferente, dar-lhes o devido valor, mimá-los e tratá-los melhor do que o habitual, proporcionando-lhes conscientemente uns momentos de conforto e de relaxamento. Em suma, mantê-los saudáveis e sentirmo-nos gratos por isso!

O desenho… é apenas uma forma pessoal de mostrar essa gratidão!

 

 

sintra…

 

3a

 

Existem lugares que ficam connosco. Para sempre. Mesmo que a sua dinâmica se altere com a passagem do tempo, guardamos a emoção sentida, o que nos deram, o que neles deixamos. No fundo, guardamos a sua energia e, estou certa, também esses lugares guardarão num qualquer recanto, um pouco de nós.

Sintra e a sua área envolvente, é um desses lugares de memórias e de emoções. Aí passei vivências únicas na minha juventude, fiz amigos que se mantêm, namorei, casei, vivi, e os meus filhos passaram parte da sua infância.

A Sintra que tenho na memória, não é seguramente a Sintra de hoje, em que prevalece a vertente turística e com ela uma visão bem mais economicista da região.
Retenho uma Sintra ao natural, espontânea, com portões mas sem barreiras. Recordo a naturalidade e a facilidade com que tantas vezes subíamos ao castelo apenas pelo prazer de ver o pôr-do-sol, ou como os verdes e as neblina tinham um cheiro que nos invadia, que era único e que não se esquece; recordo os atalhos e os caminhos não sinalizados que nos chamavam e que sentiamos envoltos numa certa magia; recordo as pequenas plantas selvagens que colhi num muro e que depois de colocadas em terra, se tornaram nos primeiros vasos de uma paixão que hoje persiste; lembro com emoção e quase com um arrepio, os penedos que eram escalados em aventuras mirabolantes pela energia de uma juventude pouco alimentada pela racionalidade, mas bastante permeável à força que a serra transmitia; e lembro ainda uma serra onde se fazia campismo no meio do nada apenas pelo prazer de estar isolado, entre verdes, silêncio e nevoeiro.

Na minha juventude, Sintra foi um modo de estar, uma filosofia e um forma diferente de pensar a vida. Ela foi ainda o som de uma guitarra e o calor de uma lareira em redor da qual a amizade e as grandes conversas eram acompanhadas por chá quente e torradas, ou pelas castanhas, assadas e saboreadas no momento.

Mas Sintra também era a humidade que se sentia nos lençóis ou o cheiro a mofo que as casas detinham. Sintra era o frio e o desconforto, mas igualmente o aconchego e a energia.

Afastei-me da sua área geográfica há mais de vinte anos. Porém, quase todos os dias e sempre que o ângulo o permite, o meu olhar procura o contorno da serra como se fosse um elemento da família. Gosto de a ver límpida, nítida e cheia de luz, mas também tapada pelo nevoeiro ou com um manto de nuvens descansando nos seus montes, como se um nevão a cobrisse de branco.

Continua bonita, com um perfil único e de matizes que variam todos os dias. Persistem os recantos encantadores e é sempre um lugar a que volto. Mas a envolvência humana e agitada que vive na actualidade dificilmente permite senti-la como nos tempos em que era “a nossa serra”. Agora é preciso procurar muito mais para tentar encontrar a calma e a  magia que emanava noutros tempos.

Sintra e a sua serra evoluíram…e eu envelheci. Porém, os seus lugares e a sua energia estarão sempre no meu caminho. Até ao fim.

 

 A fotografia é da autoria de José Oliveira, com quem partilhei Sintra e a serra durante muitos anos. Hoje, este perfil continua a fazer parte do seu olhar de todos os dias. Obrigada por partilhares comigo este post!