mar emoção

Mar
emoção
pleno de vida
grávido de ondas e energia
reflexo do meu coração.

Ondas crescentes
acariciam o mar azul
invadem o meu corpo
penetram os meus sentimentos.

Depois de tanta ternura
a alegria da explosão,
na pele do mar vivi
o gosto da aventura!

Numa fusão entre águas
dilui-se a espuma no azul sereno,
alimentando o sonho eterno
dos amores que não deixem mágoas.

(Dulce Delgado, poema antigo, não datado)

experimentações #32

Qualquer concretização é sempre gratificante, mas se for algo saído da nossa criatividade, o sentimento que fica pode ser de equilíbrio, de satisfação e de ficarmos “saciados”. E se o tempo e a energia despendidos nessa construção foram marcantes, é possível que se necessite de um período de descanso…ou de nada… tal como acontece com os atletas depois de uma corrida ou jogo.

Foi precisamente isso que eu senti depois de três anos seguidos a fazer livros de férias (partilhados nos últimos três posts desta série). Senti que não precisava nem queria mais…a não ser descansar!

A realidade mostrou-me que ao partir para umas férias com essa “construção” em mente, a atenção era redobrada e o “material” necessitava ser recolhido, mesmo que não tivesse antecipadamente nada na ideia. Certo é que, se tal atenção e gestos não existissem, seria muito mais difícil a sua construção. Ou seja, comecei a sentir que precisava mesmo de relaxar nas férias e de não estar com qualquer preocupação. Queria apenas férias.

Então nos anos seguintes não fiz álbuns como os já aqui partilhados, mas iniciei outro tipo de empreendimento que ainda hoje, dezoito anos depois, tem continuidade: comecei a fazer álbuns descritivos, com fotografias tiradas quer por mim quer pelo meu companheiro e desenhos apenas muito pontuais. Muitíssimo menos exigentes que os anteriores, abarcavam períodos de férias (volumes únicos) e especialmente aqueles pequenos passeios de todo o ano realizados a dois, em família ou inseridos em grupos, mas também exposições e outros eventos que a memória gostaria de um dia recordar.

A esses álbuns chamamos carinhosamente os nossos “Por aí”, uns magníficos auxiliares de memória já com milhares de fotografias e muitas informações adicionais que neste momento ultrapassam os cinquenta volumes (foto acima). O facto de estarem catalogados por data e lugar permitem encontrar sem dificuldade o que se deseja. Também o percorrer aleatoriamente as suas páginas é sempre um delicioso refrescar de recordações e de emoções.

Com as “experimentações” propriamente ditas em stand by, entre 2004 e 2008 tudo o que fiz foi dar continuidade a estes álbuns e fazer os habituais postais/desenhos para oferecer em aniversários e/ou datas festivas a família e a amigos. Nessa altura realmente não precisava de mais nada.

Deixo agora, como amostra, algumas páginas dispersas desses álbuns “Por aí”.

Creio que eles terão continuidade nos meus/nossos dias, enquanto a Vida e a saúde o permitirem.

Boa semana!🍀


por abril

Começa Abril com o estranho “dia das mentiras” (e subsequentes verdades) e com o orgulho de ser o primeiro mês cheio de Primavera.

Entre muitos outros provérbios, a sabedoria popular diz  “em Abril águas mil” e “ao princípio e ao fim, Abril costuma ser ruim”…..bem… que venham as águas mil e até um tempo ruim, mas que a ruindade não passe disso, pois já basta a que grassa pelo mundo. Sobre isso, poderia rapidamente elaborar uma lista de más notícias, em várias áreas, de âmbito local, nacional e especialmente internacional. Mas não, não quero ir por aí neste primeiro dia de Abril, mês de bela e fluida sonoridade e de muitas energias em latência que pairam por aí….

Na Natureza…

…campos e prados estão a ficar lindos e cheios de flores!

…árvores e arbustos já exibem os novos rebentos e o desabrochar de pequenas folhas cheias de vontade de crescer;

…muitos animais estão concentrados nos seus ritos de acasalamento. Aves e insectos –  talvez os mais fáceis de observar – estão em pleno namoro. Aliás, basta observar os pombos que abundam nas nossas cidades e jardins e ver o rodopio dos machos em redor das fêmeas. Dá para perceber que pode ser bastante difícil conquistar uma mulher!

Por esta Europa…

…acredito que a energia primaveril de Abril poderá minimizar as dificuldades de integração de milhões de refugiados ucranianos especialmente neste hemisfério norte. É apenas um detalhe, é certo, mas é algo que poderá contribuir positivamente para a força dos que estão a ser ajudados e de todos aqueles que solidariamente os apoiam;

…as temperaturas de Primavera serão igualmente uma grande ajuda no controle da pandemia, seja na diminuição drástica do número de casos ainda activos, seja no regresso ao equilíbrio que tanto se deseja.

Pelos nossos dias…

… acredito que as energias de Abril – em Portugal muito associadas à ideia de Liberdade – surjam em força e em todo o seu potencial. E que no campo da criatividade, os espectáculos, as exposições e todo o género de eventos acelerem o processo de reabertura/ expansão e voltem em pleno ao vigor pré- pandemia;

…em Lisboa, já são muitos os turistas que vagueiam pelos recantos da cidade, no geral muito encalorados e vivendo o seu Verão na nossa Primavera. Entre jovens e menos jovens, é bom ver a disponibilidade que os guia e a atenção que dão a detalhes já indiferentes à rotina dos nossos olhos e dos nossos dias. São sangue novo nas artérias da cidade!

E por aqui…

…com os período de férias já definidos em Março, Abril é naturalmente um mês de fazer o balanço entre o que se gostaria de concretizar e as possibilidades reais. Um mês em que a “liberdade” fica mais próxima e o desejo de férias começa a minar o pensamento;

…Abril será o mês de aniversário do Discretamente. Seis anos será a conta. Um tempo importantíssimo na minha vida e na minha estabilidade criativa.

…por fim, habita-me um desejo maior, que creio será de todos nós: que Abril “ilumine” as mentes obscuras de alguns e seja berço daquele momento que o mundo tanto anseia: que a paz e a estabilidade regresse rapidamente a este velho continente!

Caro Abril, com a tua energia primaveril…sê um mês gentil!🤗

(Foto captada hoje, dia 1 de Abril, ao nascer do dia na zona de Belém, Lisboa)

tons de primavera

Cinzenta, ventosa e um tanto tempestuosa, a Primavera chega a este recanto europeu com mau tempo e previsão de chuva para toda a semana. Uma desejada chuva, diga-se de verdade, porque este chão que nos suporta necessita urgentemente dessa água.

Não sendo um dia com tons de Primavera… facilmente associo este triste olhar que a janela me oferece com a intranquilidade que se vive neste mundo. Mas hoje… especialmente hoje… neste momento em que a Primavera está prestes a chegar (15h 33m), eu não quero ir por aí.

Preciso de pensamentos de esperança e construtivos. Preciso de lembrar que a Primavera é sabedoria e transcende os absurdos da humanidade. Através da natureza – e apesar das lutas pela sobrevivência tão comuns no seu seio – esta sempre nos mostra quão belo é o respeito, a diversidade, a partilha e a cooperação entre espécies e territórios…como a simplicidade da imagem abaixo consegue tão bem simbolizar.

É com ela na mente e no olhar que desejo uma boa Primavera para uns… um bom Outono para outros…e melhores energias para a “alma” deste nosso mundo!

escorrências

Quando um líquido atinge/escorre de forma continuada a camada mais superficial de uma pintura, vai deixar marcas, fenómeno a que tecnicamente chamamos de escorrências. Esses danos podem ser superficiais ou mais profundos, consoante o agente em causa e/ou o seu tempo de actuação. Na realidade, são “feridas” que alteram o equilíbrio material e visual de qualquer obra, estando posteriormente na mão de técnicos especializados a possibilidade de neutralizar esses danos a fim de recuperar a integridade física e estética entretanto perdida.

Recentemente tive em mãos uma pintura com imensas escorrências, o que exigiu um paciente e persistente trabalho de integração cromática…e obviamente, bastante tempo para divagar pelo meio…

…qualquer agressão, seja em palavras ou em atitudes, tem consequências;

…mesmo uma agressão mais superficial, originária de uma palavra menos conveniente ou de uma gesto que possa incomodar a sensibilidade de alguém tem os seus efeitos. Estes poderão ser passageiros ou persistir no tempo, o que depende principalmente da estrutura emocional e da maturidade da pessoa afectada;

… mais defesas tem igualmente uma pintura que esteja protegida com um verniz mais espesso, o qual concede uma maior protecção e resistência a danos superficiais. Pelo contrário, uma pintura com uma camada de verniz mais fina ou inexistente, sofrerá danos bem mais gravosos e profundos;

…seguindo esta linha de pensamento e voltando a nós, seres de carne e osso… também uma agressões mais profundas e de certa forma “incisa” causará maior perturbação, sendo possível que necessite de uma ajuda psicológica profissional, logo mais complexa e longa. Ou seja, muito mais investimento, atenção e tempo até o equilíbrio ser restabelecido.

Nuna pintura, dada a verticalidade e a linearidade destas linhas, normalmente bem definidas, o trabalho é exigente na medida em que é muito mais fácil harmonizar em cor e brilho fronteiras irregulares ou indefinidas, do que aquelas totalmente lineares. Aliás, não estarei errada ao afirmar que neutralizar esse tipo de dano é um dos trabalhos mais exigentes a nível da integração cromática numa intervenção de conservação e restauro em pintura.

Quem leu isto até aqui, talvez esteja a pensar que não são situações comparáveis. Realmente não são se pensarmos apenas na naturezas do que está em causa. Porém…de certa forma são, pois sendo tudo o que existe matéria e energia em movimento, qualquer agressão afectará a estabilidade dos átomos e moléculas que tudo estruturam, assim como a energia que os mantêm unidos.

Seja numa pintura… seja na matéria/energia que nos constrói e sustenta.

(Imagens de arquivo pessoal)

fim de dia…

A segunda-feira é aquele dia em que ainda estamos dessincronizados com a semana. Geralmente é sentido como o mais longo e o que desejamos que passe mais depressa…especialmente quando estamos nas quatro décadas de profissão… já existe um cansaço natural….e uma grande vontade que não haja estes dias!

Hoje, de regresso a casa e já mais “liberta” da energia de segunda-feira, ao ver que o céu estava lindo fui até à praia de Algés a fim de apreciar a envolvência e obviamente, registar o momento.

Perante este espetáculo, respirei fundo… bem fundo…e pensei: bendita segunda-feira por me proporcionares este momento e me permitires apaziguar o que sinto por ti!

Regressei a casa feliz e certa que amanhã, terça-feira, já será um bom dia!

o que nos envolve

Todas as camadas gasosas que envolvem esta bola gigante que nos conduz pelo espaço têm uma função e são a chave para o equilíbrio entre a natureza e todos os que nela habitam.

Globalmente, todas as nossas acções têm repercussão nessas camadas e, uma vez que tudo está ligado, os efeitos desencadeados recaem invariavelmente sobre nós, numa aleatoriedade incontrolável e por vezes devastadora. Portanto, está em nós, como humanidade, zelar por essas camadas. Como?

Por um lado…

…limitando a produção de gazes que contribuem para o efeito de estufa (vapor de água, monóxido e e dióxido de carbono, gazes provenientes da queima de combustíveis fosseis e ainda os chamados CFC’s/clorofluorcarbono provenientes de aerossóis e de sistemas de refrigeração, assim como o metano que é expelido pelo gado e está presente na decomposição de lixo orgânico).

Todos eles influem e têm importância no mecanismo que regula a temperatura da terra e que possibilita a vida na sua superfície. Na prática, eles funcionam como isolantes e a sua presença, sem ser em excesso, é fundamental na medida em que absorvem parte da energia emitida pela terra. Porém, se esses gazes são demais também isolam demais, ficando mais calor retido na atmosfera. E assim surge o tão falado aquecimento global com todas as suas consequências.

Por outro lado…

…as nossas acções também afectam outra das camadas que envolve este mundo onde nos tentamos equilibrar. Refiro-me à camada de Ozono, uma faixa com alguns quilómetros de espessura composta por moléculas com três átomos de oxigénio que funciona como uma barreira que nos protege dos raios ultravioleta, como o video acima bem explica. Sabe-se contudo, que essa camada é destruída pelos tais CFC’s acima mencionados, porque eles têm Cloro e este elemento tem a capacidade de destruir as moléculas de Ozono.

Na prática, tudo se relaciona com tudo, o que exige estarmos conscientes, alerta e actuantes. Teoricamente já todos sabemos isto, mas não faz mal relembrar uma e muitas vezes, mais não seja porque, meteorologicamente falando, vivemos tempos estranhos e de evidente mudança, com impacto em nós e na natureza. Vivemos tempos em que todos os gestos têm importância. Todos os dias.

Este post é um pequeno contributo para o Dia Internacional da Preservação da Camada de Ozono que hoje se comemora.

(Link do video:  https://www.youtube.com/watch?v=o3svX2Hjnhk

páscoa feliz!

E uma borboleta da cor do Sol pousou com ternura na orelha do coelhinho e sussurrou-lhe ao ouvido “Não estejas tristes, eu faço-te companhia nesta Páscoa!”

À semelhança do que se passou em 2020, ao cumprirmos o que nos é pedido esta será mais uma época festiva longe do calor familiar. Inicialmente acreditamos que este processo seria mais rápido, menos doloroso e nunca nos passou pela mente que um ano depois ele persistiria. A Vida é realmente surpreendente, no bom e no mau sentido.

Não haverá “borboletas da cor do Sol” a fazer companhia aos que vivem sós…e que mais sós se sentirão nesta época em que a família é sempre apoio e aconchego. Até os que vivem acompanhados sentem essa privação do calor familiar. Afinal já temos um ano de afectos em défice e muitos, muitos abraços e beijos em lista de espera.

Sobretudo, e apesar do aperto no peito que tudo isto nos provoca, tentemos que a energia da “borboleta” esteja presente nos pensamentos e na esperança que nos move. E na gratidão sentida pelo facto de, apesar de afastados, estarmos bem e saudáveis. Eu agradeço isso todos os dias.

Sendo a Páscoa um tempo de passagem, de transição e de recomeço….é igualmente um tempo de transformação e de renovação. Como a borboleta tão bem simboliza no seu ciclo de Vida.

Desejo a todos uma boa Páscoa!

esperança primaveril

Com a Primavera que hoje se iniciou às 9h 37m (a.m.), hora de Portugal, chegam os dias maiores e mais luminosos, uma natureza vestida de cor e, em cada detalhe, muita vida em latência brotando para um novo ciclo.

Todavia, apesar de tudo isso sempre me encantar, associo muito esta Primavera a uma “Esperança de Equilíbrio”…a um tempo-força que nos deixará mais próximo de uma estabilidade que acredito será possível nos próximos meses com o controle da pandemia pela vacinação.

E na sequência disso…

…a possibilidade de retornar, mesmo que lenta e progressivamente aos ritmos e gestos conhecidos

… aos afectos sentidos na pele

…à emoção das palavras e gestos sem máscaras

…à espontaneidade social

…aos passeios que não se fizeram

…às rotinas que deixaram saudades

…etc.

Para os que perderam o emprego, a habitação ou algum familiar/amigo durante a pandemia, ou para os que adoeceram e ainda não recuperaram totalmente, talvez os detalhes acima sejam um pouco secundários. Para eles, o equilíbrio estará em arranjar um novo emprego que lhes assegure o que tinham antes, no restabelecimento da saúde, ou no tempo interior necessário ao luto e à aceitação da perda.

Caberá a cada um perceber o que deverá colocar nos “pratos da balança da sua Vida”, para que a estabilidade se instale e seja real. Se for necessário ir à luta, mas sempre tentando envolver essa procura de esperança e de energias construtivas…

…como a boa energia que a Primavera gratuita e silenciosamente nos oferece todos os anos.

Boa Primavera!

(Que esta “esperança de equilíbrio” seja imensa e se estenda igualmente aos meus leitores do hemisfério sul que hoje abraçam o Outono! )