o plano

Não sei o plano
que o Tempo e a Vida me reservam,
nem se estarei de acordo com ele…
…ou se ele estará de acordo comigo.

Mas se o Tempo e a Vida
tiverem um plano para cada um,
sendo tantas as pessoas e tantos os planos,
certamente que os confundem
baralham…
…e no final,
muitos serão trocados!

O melhor será
não planear demais…
…nem lhes dar importância a mais!

(Poema e desenho de Dulce Delgado)

ao ritmo de um chá…

Entre as mãos e a alma
uma chávena de chá
aquece    
e acalma,
infusão de natureza
que o corpo recebe
com paz
e gentileza!  

15 Dezembro – Dia Internacional do Chá 
Na origem deste dia dedicado ao chá não está propriamente a temática deste pequeno poema, ou seja o prazer de o degustar, mas algo mais profundo e que se prende com os problemas associados à sua produção, como é o caso dos direitos dos trabalhadores e preços justos na sua comercialização. 
Para nós é muito fácil ir a uma loja, adquirir um pacote de chá e apreciá-lo com toda a tranquilidade. Porém, esse gesto simples resultou do trabalho de muitos, por vezes sem condições nem direitos. Aliás, como acontece em muitos dos produtos que fazem parte da nossa vivência diária.
Por isso, lembrar a existência destes datas é importante e, no mínimo, podem-nos levar a reflectir sobre a origem de algumas das nossas escolhas.

momento único

Nas entranhas da cidade,
dois olhares
presos no magnetismo de um instante.

Unidos ficaram
num momento doce, intenso e único,
apenas o tempo de uma paragem
infinitos segundos
antes de outra viagem.

Partiu o Metro
e a janela que os uniu,
prolongando-se o olhar até ao túnel
desaparecendo no escuro
mas não em quem o sentiu.

Nas entranhas de um corpo
ou na memória da idade,
ficou aquele olhar
pairando pela cidade.

Dulce Delgado, desenho e poema (1978/79?) 

outono primaveril

Uma aragem primaveril percorre um Outono
que ainda não sentimos no corpo
ou na pele.

Mas no silêncio do tempo
o Outono está aí…

…começando a abraçar as árvores,
descolorindo as suas ramagens
e atapetando os recantos de folhagens.

Por vezes,
não há sintonia
entre as mensagens do sentir
e as paisagens do nosso olhar!

(Este pensamento poético foi escrito há alguns dias, quando a temperatura do ar rondava os 30ºC. Entretanto refrescou ligeiramente, mas este fim-de-semana voltou aos 25ºC.
É certo que está um tempo maravilhoso… mas não passa de um detalhe de uma realidade deveras preocupante.)

olhar meu

Fecho os olhos
e viajo pelo interior do meu olhar…

…deambulo no vasto universo
de nebulosas e constelações
que me habitam,

…viajo pelos pensamentos
que navegam no mar da minha retina

…e danço entre cores e formas
num aleatório estar.

Este,
é o único olhar que é meu.
Só meu.

(Dulce Delgado, poema e imagem)

calor…

…anestesia o pensamento
…trava as ideias
…cansa as palavras
…adormece o olhar
…amolece os gestos
…sufoca o respirar
…retarda o andar
…impede a acção


…e derrete totalmente a vontade de trabalhar!

Com calor ou fresco…que seja um fim-de-semana a gosto de cada um!🤗

(Dulce Delgado, Agosto 2021)