olhar meu

Fecho os olhos
e viajo pelo interior do meu olhar…

…deambulo no vasto universo
de nebulosas e constelações
que me habitam,

…viajo pelos pensamentos
que navegam no mar da minha retina

…e danço entre cores e formas
num aleatório estar.

Este,
é o único olhar que é meu.
Só meu.

(Dulce Delgado, poema e imagem)

sonho

Real
e infinito sonho,

é tão fácil
dar-lhe asas
ou raízes,
cores de muitos matizes
e com ele poder voar
libertar…

…mas nunca o apanhar!

Apenas lhe tocar…

(Ao Dia Mundial do Sonho… e aos sonhos que sempre nos habitam! 

(Dulce Delgado, 25 Setembro 2021)

calor…

…anestesia o pensamento
…trava as ideias
…cansa as palavras
…adormece o olhar
…amolece os gestos
…sufoca o respirar
…retarda o andar
…impede a acção


…e derrete totalmente a vontade de trabalhar!

Com calor ou fresco…que seja um fim-de-semana a gosto de cada um!🤗

(Dulce Delgado, Agosto 2021)

olhares

Cruzam-se por aí
incontáveis olhares,
rede invisível de energias
que se tocam
sem querer
saber
ou pensar.

Olhares doces
intensos
objectivos
seguros ou perdidos,
bucólicos
tristes
disfarçados ou plenos.

Olhares de nós.

Alguns
poucos
aninham-se noutro olhar
ou lugar…

…ficando a maioria
perdida no tempo
no vazio
no éter
e no ar…

…perdidos de nós!

(Desenho e poema de Dulce Delgado, Agosto 2021))

pelo mundo das letras…

Inquieto,
deambulava o P
pelo mundo das letras
da escrita
e da aventura.

Num atalho encontrou o O
e logo a seguir o E,
o que gerou confusão
no momento de decidir
qual a ordenação
deste trio em formação.

As hipóteses eram demais…
…mas a personalidade do P
não era de subestimar,
decidindo com firmeza
que POE seriam
no futuro caminhar.

E assim continuaram.

Mais à frente
ouviu-se um forte suspirar…
…era um S
triste
e muito carente,
desejoso de encontrar
alguém a quem abraçar.

Com ternura no olhar
o E deu-lhe um forte abraço,
fazendo-o logo sentir
que finalmente encontrara
um lugar onde ficar.

E como POES seguiram…

…até num recanto avistarem
um ditongo a namorar
com fulgor e ousadia
em plena luz do dia.
Era o IA!

De imediato perceberam
a forte emoção
que esse par lhes traria,
pois juntos seriam corpo,
alma
acção
e uma imensa energia!

Logo entendeu o IA
o apelo vibratório
que o POES lhe fazia,
e o forte potencial
que a situação traria
a todos na vida real.

Tomada a decisão
o ditongo avançou
e ao S se agarrou…

…com tão forte a atracção…

…que num acto de magia
a palavra ganhou asas
e nasceu a POESIA!

(Poema e desenho de Dulce Delgado)