um ponto imenso

 

 

Tal como eu, que já o conheço há algum tempo, muitos de vós já visualizaram certamente este vídeo. Contudo, revê-lo de vez em quando é sempre um momento interessante porque nos relembra e recoloca no nosso devido lugar.

Cientificamente pode ter falhas, mas sinceramente creio que tal não é importante. Ele vale como um todo e pela mensagem que encerra…

…por um lado, ao recordar humildemente a nossa verdadeira dimensão e vulnerabilidade neste infinito espaço que nos cerca e, de uma forma mais indirecta, ao levar-nos a questionar o que somos, os nossos valores, atitudes e o que construímos como sociedade;

…por outro, coloca-nos perante o fantástico e maravilhoso universo que é a Vida existente na Terra, escolhendo o nosso corpo como exemplo dessa vida;

…e por último, intrinsecamente ele revela as capacidades que caracterizam o espírito humano, tendo por base a curiosidade, a criatividade, o conhecimento e a tecnologia. Sem elas, este vídeo simplesmente não existiria.

Ele é sempre uma boa viagem para o pensamento!

 

 

(Desconheço a autoria do vídeo)

 

 

 

desejando…

 

…que ele não esteja aqui!

 

 

Ele é pequenino, muito pequenino, mas está a mexer com os nossos dias, com a nossa vida e espalhando uma desconhecida instabilidade. Sentimos medo, estamos assustados e não temos a real noção do sofrimento que está a causar nem do grau de exaustão de todos os que tentam minimizar esse sofrimento.

De um momento para o outro sentimos-nos dentro de uma” bolha de vulnerabilidade” com duração indeterminada, que está a mexer com as nossas atitudes e emoções de uma forma que simplesmente desconhecíamos.

Partilho um detalhe: por amor, não aconteceu aquele abraço habitual e aquele beijo sentido que troco de uma forma efusiva com os meus filhos sempre que estou com eles. Foi um momento estranho, novo e que doeu. Mas na realidade eu não sei, e eles também não, se aquela coisa pequenina estará na nosso corpo, pele ou roupa. Então resolvemos não arriscar. Mas doeu.
A distância física tornou-se então extremamente emocional, transformou-se em energia, superou a distância e chegou ao outro como um afago invisível. Ou o afago possível.

Este novo tempo é uma estranha prova, seja a nível individual seja como sociedade. Estamos perante um tempo que exige adaptações e provoca contradições. A maior é o facto de, a par de um evidente afastamento físico estarmos mais unidos do que nunca contra uma causa comum. Na verdade aquela coisa pequenina teve o poder de neutralizar temporariamente cores partidárias, clubistas e divergências religiosas ou outras, o que não deixa de ser espantoso.

Todos sabemos que este tempo de paragem, de recato físico, de medo e de dor irá passar. Como tudo passa na vida, seja de que forma for. Mais relaxados, viveremos num planeta temporariamente mais saudável mas num tempo igualmente dramático pelas consequências económicas e sociais que este evento trará ao mundo. Contudo, há sempre um olhar, um outro olhar que é importante opor ao dramatismo de toda esta situação.

Eu preciso desse olhar. E ele diz-me…

…que sairemos disto mais maduros e conscientes da nossa fragilidade
…talvez com um maior espírito de comunidade e capazes de transformar/sublimar aquela “atenção” que agora ocupa todos os nossos sentidos, para algo mais fraterno, doce e solidário relativamente ao próximo
…mais conhecedores dos nossos limites e sentimentos, sejam eles quais forem
…com algumas dúvidas transformadas em certezas
…mais conscientes do nosso potencial criativo, algo que o “ficar em casa” certamente estimulou
…como cuidadores, talvez melhores pais pela atenção dada aos filhos…e talvez melhores filhos pela atenção recebida dos pais
…com as leituras e os filmes um pouco mais em dia
…com as gaveta e armários arrumados e a casa mais limpa
…eventualmente melhores cozinheiros
…provavelmente com muitas saudades dos empregos…

…e valorizando como nunca fizemos, a nossa rotina e a nossa liberdade!

Pela minha parte tudo farei para ultrapassar este momento sem consequências para mim e para todos os que me estão/são próximos. Veremos se aquela “coisa” pequenina concorda comigo.

Cuidem-se e cuidem dos outros. Os abraços virão depois!

 

 

 

o outro lado…

mundo - ultima - Cópia

 

Não quero revolta
ou raiva
em meu sentir,
não é o caminho a seguir!

Mas ela espreita…
toca a pele
belisca o acreditar
sufoca o respirar
aperta o coração.

Reajo.

Reajo ao frio desumano
que aqui
ali
e além
mostra o lado negro do poder
e tamanha indiferença
pelo humano sofrer.

Não,
eu não quero esse sentir
negativo
em mim…

…mas questiono…

…o que dou eu ao mundo
com este discreto pensar,
e com este olhar de imaginação
e contemplação
por ondas
céu
natureza
ventos
areia
ou ar?

É algo parecido com paz…
…ou um egoísmo sem par?

 

(Dulce Delgado, Dezembro 2019)

 

 

(Imagem composta por detalhes de fotografias retiradas de diversas páginas da Internet)

 

 

 

 

diferenças

 

IMG_8817a

 

Neste dia 3 de Dezembro comemora-se a nível mundial o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, data que tem como objectivo alertar para uma realidade existente e promover uma sociedade mais inclusiva a todos aqueles que são diferentes da média e que revelem dificuldades decorrentes desse facto.

A melhor forma de marcar esta data é partilhando um exemplo que recentemente me sensibilizou pela positiva e que tem a ver com a filosofia da empresa espanhola detentora da Ilunion Hotels, uma rede hoteleira em que 40% dos empregados que trabalham nos seus 26 hotéis possuem uma qualquer deficiência e ocupam funções que abrangem todo o tipo de áreas necessárias ao funcionamento da cadeia hoteleira.

Para além de tudo fazerem pelo bem-estar dos seus empregados é ainda marcante o facto de todos os edifícios estarem adaptados a utentes com deficiência, desempenhando um papel importantíssimo no âmbito do turismo acessível.

Não obstante casos semelhantes existentes no meu país, este é um exemplo a registar e, salvo a publicidade que possa estar a fazer e que sempre evito neste blog, a filosofia da Ilunion Hotels merece atenção e divulgação.

Especialmente neste dia.

 

 

 

 

os trilhos da vida…

 

1

 

Vivemos em sociedade…

…mas o nosso trajecto é individual, mesmo que partilhado com outros. A marca que nele deixamos é pessoal, única, adaptada ao contexto em que vivemos e em função dos  objectivos traçados.

 

2

 

Mas não é fácil esse “caminho”. Normalmente ele tem muitas curvas…

3

 

… e exige um constante equilíbrio a fim de manter o propósito previamente definido.

3a

 

Por vezes, andamos solitariamente “em volta”, sem saber bem como sair daquele círculo criado por nós próprios e pelas nossas escolhas…

3b

 

…ou precisamos de nos isolar num qualquer recanto e, por tentativa e erro, encontrar a melhor solução ou a resposta para os problemas que a vida gratuitamente nos oferece.

4

 

Próximos ou mais afastados, com os outros vamos criando relações e partilhando este nosso solitário caminho…

6

 

…em trajectos que se cruzam com ou sem objectivo definido …

7

 

…acabando por resultar numa troca de experiências mais ou menos gratificante. A verdade é que sempre aprendemos ou sentimos algo de novo ao lado dos outros.

8a

 

Contudo…

…o mais importante é que neste caminho, não obstante as escolhas e as dificuldades, haja sempre um recanto, um espaço ou um tempo para o aconchego e para o Amor!

9

 

(Levam-me a divagar… estes trilhos do caracol-do-mar!)

 

 

 

landfill harmonic

 

 

Apesar deste vídeo/teaser sobre o filme Landfill Harmonic datar de 2015 e provavelmente já muitos de vós o conhecerem, só recentemente o visualizei pela primeira vez. E ele emocionou-me o suficiente para decidir partilha-lo neste espaço, porque a essência da mensagem que transmite é importante e sempre actual.

A sobrevivência tem várias faces, sendo tendencialmente associada a uma vertente mais física e material. Porém, a força anímica e a vontade que constrói o ser humano podem ser de tal forma superiores, que suplantam as adversidades materiais e os desequilíbrios criados por uma sociedade incapaz de proporcionar condições mínimas de existência.

Um dos aspectos mais marcantes da mensagem é a forma como, indirectamente, equaciona algumas das nossas atitudes e os pretextos que arranjamos pelo facto de não termos as condições “ideais” para avançar, construir ou criar algo de diferente. E ainda como tudo, nomeadamente os valores, podem ser relativos nesta vida.

 

(Algumas informações sobre a Orquestra de Reciclados de Cateura, a protagonista deste filme)

 

(Obrigada Manuela!)

 

 

a água no mundo

 

 

Há alguns anos, Matt Damon (actor) e Gary White uniram esforços e uma forma de pensar semelhante para criaram a organização global Water.org , baseada na filosofia de que o acesso a água potável pode transformar problemas em potencial, seja desbloqueando a educação, desenvolvendo a economia ou melhorando a saúde.

Aliaram-se a profissionais de vários países e de diversas áreas, o que lhes permitiu uma actuação mais global que neste momento já se estende a três continentes e melhorou substancialmente a qualidade de vida de muitas populações, em especial das mulheres que em certas regiões se deslocam durante horas para obter esse precioso liquido.

O video inicial deste post faz parte de uma das campanhas de angariação e de sensibilização promovidas por esta organização, neste caso com a Stella Artois, um dos seus parceiros. Estes poucos minutos são essencialmente um alerta sobre a importância da água e para a nossa insensibilidade sobre esta questão, certamente provocada pela facilidade com que abrimos uma torneira e temos toda a água disponível, seja para consumir… seja para estragar.

O video que se segue, também elaborado para essa campanha, mostra de que forma uma maior facilidade na obtenção de água pode ser importante na vida de alguém e de uma comunidade.

 

 

Todos sabemos que a questão da água é um assunto crucial na vida deste planeta.

Basta estarmos atentos à forma como ele reage quase diariamente a uma evidente falta de senso, de respeito e de humildade de todos nós, especialmente daqueles que, pelo seu poder e influência, mais atenção deveriam ter.

 

(Obrigada Manuela!)

 

 

 

o professor e o louco

 

 

Um dicionário ou uma enciclopédia ocupam na maioria das habitações um recanto de uma estante… mas todos sabemos que são cada vez menos utilizados.

Se a minha geração ainda continua a recorrer a eles porque cresceu fazendo esse gesto, já as seguinte dizem: “Dicionário para quê? Vai-se à net!”

Sou especialmente apreciadora do dicionário Lello Universal, através de uma edição organizada e publicada em 1978 pela Livraria Lello &irmãos (Porto), composta por dois grandes volumes com letra muito pequena e onde se encontram palavras que outros mais recentes não possuem. É uma delícia de livro, ainda com desenhos/gravuras a complementar muitas das entradas.

Ele está na prateleira para quando é necessário. No entanto, apesar de o apreciar e usar, é um dado adquirido, como tantos outros que temos na nossa vida. Nunca levei o meu pensamento para a sua construção, o que lhe deu origem, quem realmente o concebeu, quantos anos terá levado a surgir a primeira edição, etc, etc

O Professor e o Louco é um interessantíssimo filme irlandês realizado por Farhad Safinia, que tem como actores principais Mel Gibson e o magnífico Sean Penn, este último num dificílimo papel. Encontra-se em exibição em muitas salas de cinema portuguesas e é um drama biográfico passado no séc. XIX que narra o nascimento do conhecido Oxford English Dictionary.

Numa época em que se escrevia com tinta e aparo, a distância que separava aqueles pioneiros das potencialidades dos nossos computadores e das tecnologias de armazenamento actuais, era tão grande como a que nos separa da ideia ou do trabalho mental e físico que implicou compilar os volumes daquela enciclopédia.

É um fosso que eu senti minimizado ao visualizar este filme, razão porque o estou aqui a divulgar. Neste século XXI, a fim de melhor compreendermos a actualidade e de lhe dar o devido valor, temos o dever de conhecer este detalhe desconhecido do séc. XIX.

Esta película, na sua essência, é ainda um filme sobre uma profunda amizade e sobre a empatia que se gerou entre dois seres especiais. Gostava de referir igualmente a presença de duas personagens femininas representadas por Jennifer Ehle e Natalie Dormer, ambas de enorme força, saber e sensibilidade, tendo em conta o papel da mulher naquela época.

Espero que o procurem num cinema e que o apreciem, sabendo que relata um episódio verídico da história do pensamento e das palavras que nos unem e que circulam neste mundo.

 

 

 

tristeza

 

preto

 

Ao longo dos quase três anos deste blog, tenho tentado manter a mesma linha que o levou a nascer: partilhar sentires, momentos, lugares e alguma da criatividade que comigo nasceu, mas de uma forma tendencialmente doce, positiva e discreta, porque é essa a forma que tenho de estar comigo e de me enquadrar no mundo. Acredito, com humildade, que as energias daí nascidas são boas e que o mundo precisa das nossas melhores energias. Tento apenas contribuir com uma ínfima parte.

Contudo, sendo uma cidadã do mundo, é óbvio que há situações que geram outro tipo de energias menos simpáticas. Em resposta, não as alimento com raiva, porque esse é um sentimento que não quero dentro de mim; também não as alimento dando continuidade de uma forma quase irracional em redes sociais, como vemos amiúde; e, de uma forma geral, não as alimento com grandes conversas porque, seja em que campo for, há sempre pessoa preparadas e especializadas para falar, escrever e debater esses temas mais polémicos com competência e seriedade. Eu nada acrescentaria de novo.

Hoje, porém, vou desviar-me um pouco dessa linha de conduta, sendo certo que a energia emocional com que escrevo não é doce nem mesmo positiva. É de tristeza, incompreensão e, não obstante estar ciente que estas palavras nada acrescentam, preciso de as escrever.

Fazendo a ponte…

Apesar de vestir amiúde o preto, porque gosto dessa cor e nunca a associei a luto ou a dor, hoje vesti uma peça desse tom conscientemente e por uma causa. É um preto/negro solidário, porque esta noite mais uma mulher foi morta em Portugal pelo seu companheiro, exactamente no dia de luto nacional pela violência doméstica.

Estamos na décima semana do ano de 2019 e esta última vítima foi a 12ª a morrer no meu país. A continuar este ritmo, serão o dobro do ano anterior. Caberá ao estado e às suas instituições agir rapidamente sobre a situação, esperando que esse agir seja firme, real e com efeitos a curto prazo, pelo menos na actuação a ter com casos já referenciados. Não será tolerável que as acções recentemente divulgadas e ainda em fase embrionária não sejam desenvolvidas com rapidez e rigor. Vamos aguardar, mas todos sabemos que algo tem que ser feito.

Como ser humano, revolta perceber que as situações de violência existem porque o senso, o chamado bom senso deixou de existir e foi completamente engolido por sentimentos doentios, irracionais e até capazes de matar quem, em certo momento, se escolheu para partilhar a vida ou mesmo ter filhos.
É difícil imaginarmos o leque de emoções que este tipo de acontecimento/violência deverá gerar ao longo da vida dos protagonistas, especialmente das vítimas: haverá amor e ódio, ilusão e desilusão, alegria e dor, confiança e terror. E haverá o viver ou o morrer.

Todas as vítimas foram mulheres. Doze homens do meu país preferiram alimentar o seu orgulho masculino e matar por ciúme, amor ou ódio. Preferiram escolher a cadeia e muitos anos sem liberdade a aceitar que as situações e os sentimentos mudam, e que as suas companheiras não são objectos nas suas mãos.

A realidade nua e crua mostra que às mãos desta ignorância e de tanta falta de educação vão morrendo seres humanos que, um dia, sonharam e desejaram um futuro de paz e de comunhão com os seus parceiros.
E infelizmente, mais se seguirão.

Se por um lado é necessário actuar de imediato em algumas frentes, creio que será na família e na escola que estará a solução para este problema, mesmo que os efeitos sejam a médio ou longo prazo. Sensibilizar os jovens, será a chave.

Então que esse papel seja assumido com empenho pelo estado e pela sociedade no geral, e por todos nós em particular no nosso pequeno circulo de acção. Será a solução para uma meta a atingir. Sem desvios nem recuo.

Hoje, o meu preto, é mesmo de luto.

 

 

 

 

 

arte urbana

 

img_3093a

 

Nos últimos anos verificou-se em Portugal um grande desenvolvimento da arte urbana, facto que  está directamente relacionado com a ocorrência de vários festivais dedicados a este tipo de arte, como o Sm’art em Bragança, o Tons de Primavera em Viseu, o WOOL– Festival de Arte Urbana da Covilhã, o ESTAU em Estarreja, o Festival Iminente em Oeiras ou o Walk and Talk em Ponta Delgada, nos Açores.

Todos terão objectivos a atingir no plano artístico, nomeadamente na qualidade das obras realizadas, facto que se sente ao percorrer muitas das cidades do nosso país, agora bem mais coloridas e revelando excelentes obras para apreciação. Mas há outras situações em que a vertente artística se aliou a uma componente de reabilitação social mais marcante, como sucede por exemplo no distrito de Lisboa, nos Bairros Padre Cruz em Carnide e no Bairro da Quinta do Mocho em Sacavém.

Vou apenas detalhar o segundo caso, o que melhor conheço na sequência de uma visita aí realizada e que permitiu perceber o projecto que lhe deu origem.
Tudo se iniciou no âmbito do festival O bairro i o Mundo que ocorreu em 2014, evento multifacetado onde foram realizadas as primeiras pinturas em edifícios do bairro. A partir daí várias entidades se juntaram a fim de estimular uma população socialmente estigmatizado a aderir ao projecto. Foi um trabalho simultaneamente educativo e de divulgação que deu frutos nos anos seguintes, também com a realização de novas pinturas em edições posteriores desse mesmo festival.

Hoje as obras são muitas, creio que mais de sessenta, e o bairro é alvo de visitas turísticas promovidas por entidades privadas, mas também orientadas gratuitamente por moradores que, empenhada e orgulhosamente, nos acompanham por aquele manancial de criatividade. Existem obras da autoria dos melhores artistas de street art, mas igualmente de outros menos conhecidos que tiveram ali a sua oportunidade. Hoje, este bairro é considerado como a maior galeria de arte urbana a céu aberto da Europa.

São muitos os artistas nacionais e internacionais que pretendem intervir neste projecto apoiado pela Câmara Municipal de Loures através da plataforma Loures Arte Urbana. Mas o mais importante de tudo é o facto do empenhamento de muitos e da arte em particular terem transformado o sentir da maioria dos habitantes, que agora se unem no sentido de preservar e divulgar as obras que mudaram a imagem do seu bairro. E que permitiram abri-lo ao mundo e contribuir para que os seus habitantes hoje se sintam socialmente mais enquadrados e apreciados.

Termino com dois artigos publicados pelo jornal Público em 2015 e 2018, que referem de uma forma bastante mais completa o que acabei de escrever; e ainda com a página do site da Câmara Municipal de Loures que menciona a visita gratuita que ocorre no último sábado de cada mês.

E, como não poderia deixar de ser, seguem-se algumas fotografias das muitas pinturas existentes, assim com o nome e a nacionalidade dos respectivos autores.

img_2985a
Nomen (Nuno Reis), Angola
img_2992a
Colectivo Licuado (Camilo Núñez e Florencia Durán), Uruguai

 

img_2998a
Vespa (São José dos Campos) e Utopia (Oliveiros Junior), ambos do Brasil, e Nomen, de Angola

 

img_3004a
Vespa, Brasil

 

img_3024a
Hopare (Alexandre Monteiro), França
img_3029a
EHME (Marcelo Gomes), Portugal
img_3031a
Smile (Ivo Santos), Portugal

 

img_3043a
Vhils (Alexandre Farto), Portugal
img_3051a
Odeith (Sérgio Odeith), Portugal

 

img_3055a
Zmogk (Konstantin Danilov), Rússia

 

img_3067a
L7M (Luis Martins), Brasil

 

img_3105a
Styler (João Cavalheiro), França

 

img_3108a
Fio Silva, Argentina

 

img_3086a
Vinie, França

 

Falta referir que o autor da fachada representada na imagem inicial  do post é o artista de nacionalidade francesa, Astro.