vamos plantar uma árvore?

 

IMG_1252

 

Perante os fogos que continuam a atingir a floresta portuguesa, muitos de nós já sentimos o desejo de colaborar na recuperação desses espaços, mas não sabemos exactamente como o fazer. Nesse sentido, e partindo do princípio que a plantação de espécies autóctones pode fazer toda a diferença no futuro da floresta, a Associação Nacional de Conservação da NaturezaQuercus, em parceria com os CTT – Correios de Portugal, SA e com o apoio do Programa Cidadania Activa, têm em curso pelo quarto ano consecutivo uma campanha de reflorestação que nos permite de uma forma simples e cómoda, contribuir para a plantação de uma ou mais árvores.

Para tal, basta ir a uma estação dos CTT e adquirir o kit Vale uma árvore  ou comprá-lo online (disponível apenas para cinco ou mais unidades). Por cada um vendido, a Quercus planta uma árvore em bosques, cujo desenvolvimento poderemos acompanhar durante cinco anos, bastando para isso registar no site da campanha o código incluído em cada kit.

Por apenas três euros, estamos a contribuir para algo de concreto e passamos das palavras à acção. Por esse valor, poderemos ainda oferecer uma prenda diferente a alguém que, por sua vez, pode sensibilizar outros de igual forma. Muitas árvores poderão assim ser plantadas e cuidadas por quem o sabe fazer.

O número de árvores oferecido à natureza em cada ano no âmbito desta campanha tem aumentado, mas é ainda muito pequeno num país em que a floresta precisa tanto de ajuda. Diria que Uma árvore pela floresta – Uma árvore vale muito, é uma excelente ideia…  mas pouco divulgada. Na verdade, os milhares de portugueses que diariamente se deslocam a uma estação dos CTT e que seriam potenciais “plantadores de árvores”, desconhecem-na por ausência de publicidade directa. Eu própria o verifiquei in loco, em três postos de atendimento na área de Lisboa, em que não havia absolutamente nada a referi-la.

Para além das árvores que entretanto ofereci à floresta, com este post estou a tentar dar uma ajuda na sua divulgação. Tenho esperança que até ao próximo dia 30 de Novembro, alguns dos meus leitores também colaborem e, quiçá, plantem finalmente a árvore da sua vida!

 

 

árvores do mundo

 

fuji 123a
Hondonero, um dos centenários castanheiros de Temblar, Segura del Toiro, Espanha

 

A Conservação da Natureza teve ontem o seu dia mundial, mas é nossa obrigação dar-lhe atenção todos os dias. Nesse sentido, hoje darei a palavra às árvores, seres que partilham o planeta connosco e que criam raízes neste substrato que também nos recebe e dá guarida. A natureza é una, pelo que tudo o que possa ser realizado no sentido de a preservar, é defender todas as espécies que dela dependem.

A organização Botanic Gardens Conservation International reúne cerca de cinco centenas de Jardins Botânicos de cem países e foi criada para proteger a flora de todo o mundo. Para além de catalogar e descrever as espécies encontradas, tem como objectivo reforçar a plantação das que se encontram em vias de extinção, assim como actuar de forma preventiva sobre espécies que estejam a ser demasiado consumidas ou usadas.

Esta instituição fez há relativamente pouco tempo um recenseamento de árvores a nível mundial, que levou à contabilização de 60.065 espécies diferentes.

Em países como o Brasil, a Colômbia ou a Indonésia, foram encontradas respectivamente 8715, 5776 e 5142 espécies diferentes e, por exemplo, do número contabilizado no Brasil, 4333 são espécies unicamente aí existentes. Por sua vez, 2991 espécies só apareceram em Madagáscar e 2584 apenas na Austrália.
Concluíram ainda que em todo o mundo estão ameaçadas cerca de 9600 espécies.

Estes são apenas alguns números globais desse grande estudo realizado pela primeira vez. Para nós, não especialistas em botânica, eles funcionam como factor de sensibilização e um acréscimo ao conhecimento restrito que possuímos, e que se limita a saber que as árvores formam uma grande família, que são importantes no equilíbrio do planeta e que algumas são magníficas. Porém, há uma floresta “enorme e silenciosa” que nos sustenta apesar de passar indiferente ao nosso olhar e atenção.

Qualquer acção que possa contribuir para que as árvores comecem a ser melhor cuidadas é importante, especialmente numa época em que as alterações climáticas são visíveis, a desertificação uma realidade, e os fogos e a desflorestação continuam cruelmente a destruir muitas das árvores do mundo.

Este estudo, creio que poderá ser um bom contributo.

 

 

 

 

sol

 

IMG_8923a

 

Em cada segundo, ele nasce para milhões de seres vivos deste planeta. Vinte e quatro horas por dia. Ilumina a existência, permite a vida, dá energia e é uma fonte de saúde e de inspiração.

Neste Dia do Sol, este foi o meu segundo…e esta imagem, a forma mais objectiva de reconhecer a sua importância e grandiosidade!

 

 

percursos natalícios

img_7266

 

Foram muitos os que lhe pegaram, miraram ou leram, mas voltavam sempre a colocá-la no mesmo lugar. Nada de diferente acontecia, pelo que não compreendia a razão de continuar naquele confuso lugar onde ninguém se interessava verdadeiramente por ela.

Inesperadamente tudo mudou. Olharam-na com mais atenção, depositaram-na num carrinho com grades e cheio de compras de todo o tipo, embrulharam-na num papel de muitas cores e, por fim, colocaram-lhe à volta uma fita vermelha com um enorme laço. Estava linda!

Rodeada de outros tão bem vestidos como ela e debaixo de uma árvore replecta de luzes que piscavam, permaneceu alguns dias e noites esperando um acontecimento que desconhecia, mas que devia ser muito importante. Feliz e cheia de esperança, viveu o melhor tempo da sua vida.

Uma noite, no meio de uma enorme confusão alguém lhe pegou.

Primeiro arrancaram-lhe o laço à força e rasgaram o papel que a cobria; depois abriram-na para retirar o seu conteúdo; e por fim, sem qualquer cuidado, atiraram-na para um canto, despida por dentro e por fora, para junto de um amontoado de outras caixas como ela,  de papéis rasgados e de laços feridos. Ninguém mais lhe prestou atenção.

No dia seguinte, deu por si num caixote no meio de muito lixo, sujidade e mau cheiro. Muito triste, pensou no porquê da sua existência e principalmente no seu fim…

….” se ao menos me tivessem levado para a reciclagem!…”

 

Com este conto, desejo-vos um BOM… e ecológico NATAL!

– A Internet disponibiliza diversas informações sobre as atitudes mais ecológicas a ter em conta antes, durante e após esta época festiva. Nesse sentido, vale a pena ler aqui o conteúdo de uma  página elaborada pela associação Quercus.

Eu diria que… se todos colocarmos os resíduos resultantes deste Natal (garrafas, papéis, caixas e embalagens de produtos alimentares) nos respectivos contentores de reciclagem e, se devolvermos à terra o que é da terra, como musgos e outras ramagens utilizadas nesta época…já estamos a dar uma boa prenda de Natal a este belo planeta!

 

 

charcos com vida

 

 

Se num passeio pelo campo encontramos um charco, contorna-mo-lo, sem lhe dar grande atenção. Porém, essas zonas húmidas, normalmente temporárias e de dimensão variável, são muito importantes pela biodiversidade e pelas espécies que deles dependem, tendo por isso um papel fundamental no equilíbrio ambiental.

Para quem gosta da natureza e aprecia o que ela nos oferece, é muito interessante saber o que caracteriza um charco, qual a sua importância, as espécies que neles habitam, informação que está disponível em Charcos com Vida.

A manutenção de charcos saudáveis exige recursos, razão porque está a decorrer uma interessante campanha de financiamento colectivo (croudfounding) intitulada Não deixes os charcos sem vida, que visa dar continuidade a um projecto iniciado em 2011 e levado a cabo pela Universidade do Porto. O vídeo acima, explica tudo sobre esse projecto e campanha.

É possível contribuir por vários meios, sendo o pagamento por multibanco um dos mais simples. O valor mínimo é de 2 euros, quantia que está ao alcance de todos, mas aceitam qualquer outro valor. A campanha decorre até 19 de Dezembro e qualquer dúvida pode ser esclarecida aqui.

Divulguem esta causa. Os charcos e a natureza agradecem!

 

 

o acordo de paris

 

Para reavivar a memória, entra esta sexta-feira em vigor o Acordo de Paris para as mudanças climáticas, aqui sucintamente explicado:

 

 

Se a postura de cada um é fundamental no cumprimento deste acordo, mais importante será a postura e as políticas dos países signatários do documento. Portugal também assinou, pelo que seria interessante um acréscimo no seu empenhamento. Como?

Deixo algumas sugestões:

  • Impedindo definitivamente a prospecção de petróleo no nosso país, para evitar a hipótese de produzirmos…aquilo que queremos combater;
  • Um forte e bem planeado investimento no transporte público, o que actualmente está longe de suceder. Como acontece noutros países, a existência de uma boa e funcional rede de transportes implicaria certamente  menos carros a circular nas cidades;
  • Incentivando a capacidade inventiva, a apetência nacional para a novidade, o know-how que já existe e obviamente os recursos da indústria nacional, para a produção e comercialização de um veículo movido a energia solar, a nossa fonte de energia por excelência;
  • A promoção e desenvolvimento dos modos suaves (andar a pé e de bicicleta);
  • Realizar campanhas de incentivo ao uso de menos embalagens, impondo regras, nomeadamente às grandes superfícies que usam e abusam desses materiais. Apesar de recicláveis, a sua produção gasta energia e é poluente;
  • E outras possibilidades, que neste momento cada um poderá estar a pensar!

 

Somos um povo aberto à novidade e de adaptação fácil. Desde sempre. Podemos resmungar um pouco de início, mas rapidamente compramos lâmpadas de baixo consumo para as nossas casas ou esquecemos os sacos grátis que eram dados no supermercado, por exemplo.  Com inteligência, a nossa classe política poderia aproveitar esta característica nacional e levar-nos a contribuir de uma forma muito mais concertada para objectivos positivos para a  sociedade, para o ambiente e para o bem estar de cada um. O nosso país é apenas um cantinho neste enorme planeta, mas podemos ser grandes quando nos empenhamos numa causa, desde que ela tenha por base a solidariedade e o coração.

 

água engarrafada

 

 

Apesar de datar de 2010, este vídeo continua bastante actual. Alerta-nos para os meandros do negócio da água engarrafada no que se refere a interesses económicos e ao marketing que lhe está associado, para além das  consequências nefastas para o ambiente.

Optar pela água canalizada, que tem a qualidade controlada na maioria dos países, é a melhor  forma de combater estes jogos pouco claros. Porém,  se pela antiguidade das habitações e da rede aí instalada sentirmos que a água apresenta alguns detritos, uma boa solução é recorrer a um sistema de filtragem, sendo o mais simples e económico os jarros com filtro. Implica um custo médio mensal de 4,50/5 euros, mas permite depurar dezenas de litros de água, quantidade suficiente para uso de uma casa de família. O valor investido será rapidamente recuperado, sendo um processo muito mais económico e menos poluente do que optar sistematicamente pela água engarrafada.

Actualmente ainda não se faz a reciclagem desses filtros em Portugal, pelo menos os da marca Brita, uma das mais conhecidas do mercado. Num contacto recente com essa empresa fui informada que esse procedimento estará para breve, à semelhança do que já acontece em Espanha.