respirar

 

IMG_0223

 

No inspirar do dia,
adormece a noite
o escuro
e a melancolia.

No expirar da noite,
descansa a luz
o movimento
e o dia.

E no meu respirar
a vida acontece num ecoar,
e o tempo…
…o tempo passa
veloz
e sempre em tons de voar!

 

(Dulce Delgado, Maio 2019)

 

 

 

 

Advertisements

sentir citadino

 

IMG_3392a

 

Sob o sol brilhante
de um dia com meia idade,
o Tejo afaga as margens
num tranquilo
e terno abraço.

Aqui, neste lugar,
sou olhar
rio
luz
e silêncio
no ruído da cidade,
um imenso instante
de profunda igualdade!

 

(Dulce Delgado, Abril 2019)

 

 

 

mudar

IMG_0254

A vida é uma luta e um constante desafio ao tempo, onde amiúde as energias que nos movem são “esquecidas” pelo pouco espaço que os dias nos permitem.

Porém, de vez em quando, essa força/energia precisa de respirar, de se manifestar, de dizer ao nosso consciente que existe e está bem viva. Talvez para nos fazer pensar se assim devemos permanecer ou, pelo contrário, se algo poderemos mudar.

Como se manifesta?

… no desejo de fuga nascido no corpo

… rasgando um olhar porque outro teima em entrar

… esquecendo aquilo que não queremos guardar

… murmurando no silêncio do nosso sentir

… através de um pensamento não convidado

… intuindo o que o pensar não está a entender

… vibrando com a diferença…

 

… e, acima de tudo, quando nos diz calmamente: tu não queres isto!

 

 

(Dulce Delgado, Abril 2019)

 

 

 

 

o humor dos dias

 

1

 

Limpo
alaranjado
cinzento
ou chuvoso,
o dia acorda
lento
e silencioso.

No ar,
uma energia
que gosto de acompanhar,
com o corpo
e o olhar
num calmo respirar.

Então…

…no meu trajecto diário
e matinal
pelas margens da capital,
em vários dias parei
naquele lugar,
a fim de fotografar
a poesia
a energia
e o humor de cada dia.

Seis dias…seis imagens…

Em cada uma
um sentir
único e pessoal,
talvez alimento visual
para o humor do meu dia!

 

2

 

3

 

4

 

5

 

6

 

Imagens captadas em Lisboa perto das oito horas da manhã, nos dias 28, 29, 30  e 31 de Janeiro e a 1 e 4 de Fevereiro, de um ponto localizado entre o Padrão dos Descobrimentos e a Torre de Belém.

 

(Dulce Delgado, Fevereiro 2019)

 

 

 

divagações temporais

img_2869

 

Um novo mês…
…e literalmente uma nova folha na minha vida!

Sempre que início uma nova página no livro de ponto que diária e obrigatoriamente tenho que assinar como funcionária do estado, penso: como estarei quando preencher a última linha deste mês?
Pergunta sem resposta, porque o futuro não tem resposta. Apenas possibilidades.

Cada linha está dividida em células, sendo quatro as que me são concedidas em cada dia. Quatro células com tempo…e algumas ideias fantasiosas…

…certamente que o tempo, algo tão volátil e indomável, se deve sentir amarrado e comprimido dentro de cada uma daquelas células…

…sempre que rubrico uma célula, meto-me com o tempo…talvez, até lhe faça algumas cócegas com a caneta…

…e nesse momento silencioso por vezes “ouço”: Ok, Dulce, agradece, este tempo já é teu!

E a Dulce agradece!

– De uma forma mais ou menos tranquila no momento em que rubrico a primeira célula no início de cada mês, como hoje aconteceu mais uma vez;

– E de uma forma bem mais agradecida, ao rubricar a última “célula de tempo” de um mês que termina, como ontem sucedeu…

Nos restantes dias, encaro pontualmente aquele livro e as suas páginas com este pensamento: “Se a Vida o permitir, que surpresas me reserva o “tempo escondido” em todas estas células ainda “virgens”?
Ou nas páginas ainda por preencher?
Ou…em futuros livros?

 

(…a imaginação é a melhor forma de lidar com as “grilhetas” de um livro de ponto!!)

 

 

 

este dia…

 

img_2780a

 

…que está prestes a terminar, assim nasceu na zona de Lisboa.

Por um lado apareceu com uma luz forte, profunda e um tanto mística; e por outro, com uma evidente componente de intranquilidade, transmitida pelas irrequietas nuvens.

Uma hora depois, o rio Tejo e as áreas da cidade a ele adjacentes estavam cobertos de um nevoeiro denso e de um frio penetrante, húmido e muito desagradável.

Esse sentir enevoado manteve-se uma boa parte do dia, talvez para nos preparar para a chuva prevista para amanhã, depois de muitos dias de céu azul, limpo e de um sol vivificante.

Esta alternância e sequência de estados e de humores é nossa também. É minha. É tua. É de todos e de tudo.

É a Natureza, tal e qual!

 

 

 

dia energia

 

IMG_0629

 

A primeira imagem que o dia nos oferece contribui de certa forma para a energia com que o iremos encarar.

Logo pela manhã, sempre procuro uma janela virada a oriente para ver as infinitas formas do nascer do dia e as flutuações associadas à sequência das estação do ano. É uma espécie de ritual de Vida.

Nesta altura do ano…

…o meu acordar coincide mais ou menos com o nascer do sol. Apesar de ainda estarmos no Verão, por vezes um manto de nuvens ocupa o céu impedindo de apreciar esse momento. Noutros dias porém, como revela esta imagem captada recentemente, a luminosidade é tão bonita e mágica que penetra no olhar… no respirar… nos poros… nos gestos… e especialmente na energia do nosso dia!

 

Este, só poderia ser um dia bom!

 

 

 

(Dulce Delgado, Setembro 2018)