depois do outono…

 

img_7506

 

Lisboa despede-se do Outono com um tranquilo nascer do dia. E com sol aquecerá a chegada do Inverno, hoje, às 10horas  e 44 minutos.

Somos ínfimas partículas no contexto cósmico. Somos quase nada. Mas a verdade é que temos o privilégio de fazer parte do Universo e destas suas dinâmicas. Eu sinto-me grata por isso!

Um doce inverno para todos!

 

 

prazeres de outono

castanhas-2

A cada estação do ano associamos uma imagem, um cheiro, um lugar ou um sentir.

Estamos no auge do Outono e, se me perguntarem qual o cheiro desta estação, respondo de imediato que é o das castanhas assadas, aroma que “vive” nesta época do ano em muitos recantos da cidade de Lisboa e certamente de outros locais do país. Ele é tão irresistivel (para quem gosta, obviamente), como é reconfortante e delicioso o prazer de deambular pelos passeios da cidade, num dia frio, a saborear castanhas quentinhas acabadas de assar.

Sendo uma fã incondicional deste alimento, gosto de as comer cruas, cozidas, assadas, fritas, piladas, como acompanhamento culinário ou em doces. De qualquer maneira e em qualquer momento!

E hoje, dia de S. Martinho, em que por tradição as castanhas acompanhadas de jeropiga, água-pé ou vinho, estarão presentes na mesa dos portugueses que as apreciam, eu não serei excepção. Não apenas porque gosto do seu sabor…mas porque gosto da ideia de dar continuidade neste tecnológico século XXI a uma tradição popular, num tempo em que a globalização e a importação de paladares é uma realidade nas nossas vidas.

 

a primavera no outono

 

img_6841a

 

As cores de Outono da vinha-virgem americana (Parthenocissus quinquefolia) preenchem uma estrutura circular que abraça o tronco e ampara a copa de uma lindíssima paineira-rosa (Ceiba speciosa), agora cheia de flores e no auge da “sua” Primavera. Ao nosso olhar, coabita harmoniosamente a energia visual de ambas as estações do ano, numa complementaridade de cores e de tempos.

Para além disso, diria ainda que se sente a cumplicidade existente entre ambas as espécies, na medida em que cada uma valoriza a presença da outra.

Esta bela parceria pode ser apreciada no Jardim 9 de Abril em Lisboa, o espaço verde que se situa entre o Museu Nacional de Arte Antiga e a sede da Cruz Vermelha Portuguesa.

 

outono

ramosa

 
Esgotada
com o calor do Verão,
a natureza pediu ao sol
um tempo de fresquidão.

Sem hesitar,
desviou o sol
o quente olhar,
deixando um lugar
no tempo
para outro poder entrar.

Então,
numa tarde
de Setembro,
vindo nas asas do vento
o fresco Outono
chegou
para ficar até Dezembro.

Veio morno
seguro
e sem pudores,
disposto a acalmar
à natureza os seus calores!

 

(Dulce Delgado, Setembro 2016)