ao mar do meu olhar…

 

IMG_3493a

 

…neste Dia Nacional do Mar!

Este poema é um “mar-divagar” pessoal e nada diz sobre a real importância deste elemento na vida de todos os portugueses. O mar é a nossa história, o nosso percurso e estou certa que será uma parte fundamental do nosso futuro.
Pretende-se apenas que, neste dia, cada um relembre o seu próprio Mar!

 

Mar,
de longo e infinito olhar
onde é fácil imaginar
aquele lado da vida
que a vida não nos quer dar.

Horizonte de poesia
que me leva a passear,
deixando os pensamentos
profundos
ou em fragmentos,
pelas águas navegar.

Uns mergulham nas ondas
e ficarão sempre a nadar,
outros preferem voar
levados por um véu de água
que se evapora no ar,
e muitos,
felizes e sem mágoa,
diluem-se na branca espuma
que na areia vai descansar.

Tranquilamente,
percorro a beira-mar…

…talvez a procurar
um pensamento
meu,
escondido numa concha,
morando no coração
de um búzio,
ou dormindo na areia
que os meus pés estão a pisar!

 

(Dulce Delgado, Novembro 2017)

 

 

4 thoughts on “ao mar do meu olhar…

  1. Inspirado e inspirador este teu lindo poema que me fez olhar para os meus livros e procurar, na estante, títulos em que a palavra mar aparece. Vi por lá “O Silêncio do Mar” de Vercors, “Daqui o Mar” de Jorge Carreira Alves, “Mar e Tudo” de José Francisco Costa e, claro, “A Menina do Mar” e “Histórias da Terra e do Mar” da Sophia.
    Sendo açoriano o mar sempre fez parte do meu horizonte e agora, mais do que no horizonte, faz parte de mim. Por isso me associo à tua celebração do dia do mar.
    Deste último livro da Sophia deixo-te um trecho de “A Casa do Mar”, que assim diz:

    “Pelo gesto de dobrar o pescoço e de sacudir as crinas, as quatro fileiras de ondas, correndo para a praia, lembram fileiras brancas de cavalos que no contínuo avançar contam e medem o seu arfar interior de tempestade. O tombar da rebentação povoa o espaço de exultação e clamor. No subir e descer da vaga, o universo ordena seu tumulto e seu sorriso, e ao longo das areias luzidias, maresias e brumas sobem como um incenso de celebração.
    E tudo parece intacto e total como se ali fosse o lugar que preserva em si a força nua do primeiro dia criado.” (Lisboa, Texto Editora, 1992, p.72)

    E como este texto é da “Casa do Mar” deixo-te também com uma sugestiva capa do álbum “Home”, do trio de Søren Bebe, uma casa também do mar.

    Like

  2. Que posso eu dizer perante um comentário tão completo como este? Tem sensibilidade, sugestões literárias, música e…muito de ti!
    O meu olhar sobre este dia… ficou bem mais completo com a tua música… e o teu mar!
    Obrigada pela presença e palavras!

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s